Procurando sub significado

Terapia: É normal o paciente definir o valor e também ser pressionado a pagar em dinheiro?

2020.10.07 10:55 mvpetri Terapia: É normal o paciente definir o valor e também ser pressionado a pagar em dinheiro?

Desculpe se não for apropriado para o sub, e desculpe se acabar ofendendo alguém, mas eu realmente não tenho muito parâmetro de comparação. Acabou ficando um post bastante longo, mas ilustra a minha primeira experiência com terapia. Algo que eu evitei por vários anos e talvez eu tenha ido sem saber direito o que esperar. Acabou não durando muito, somente duas sessões, e a história é a seguinte:
No começo do ano eu estava em um estado bastante crítico em questões de saúde mental e peguei um contato de uma terapeuta e fui fazer uma consulta. Eu não sabia o que eu iria dizer, eu não tinha nenhuma informação sobre, eu só sei que eu precisava e o resto se acertaria. Literalmente mandei uma mensagem de whatsapp. O que mandei, só omitindo os nomes, foi:
Bom dia ***, tudo bom? Recebi seu contato por um amigo em comum, espero que não se importe. Poderia, por gentileza, me passar informações sobre seu atendimento? Local, valores e outras informações que considerar necessárias? Obrigado.
A resposta que recebi foi bastante normal, me passou o endereço, perguntou meu nome, dias e horários de disponibilidade. Mas terminou dizendo:
"Sobre o valor, eu acho que seria importante conversarmos sobre num primeiro atendimento."
Aí eu já fiquei um pouco confuso. Eu tinha que pagar a primeira consulta? Era de graça? Até cheguei a perguntar para algumas pessoas. Uns falaram "só vai", outros falaram que isso era estranho, outros falaram que "coisa de psicólogo". Marquei um dia e fui.
Um dia antes da consulta ela mandou um email confirmando atendimento. No dia do atendimento eu não estava confortável. Era a primeira vez e meu estado era de vulnerabilidade. Quando perguntei sobre a frequência de atendimento e o valor, ela não quis me dizer quanto era o valor da hora. Que era para eu decidir o valor a pagar. Sem dar nenhum valor mínimo, máximo, ou de referência. Eu não soube o que responder e falei que não sabia o que sugerir. E até fui sincero e perguntei "como vou saber o que é justo para a sua hora de trabalho mas também dentro daquilo que eu vou receber?", mas ela não justificou. Disse, e pareceu que foi desconversando, que isso poderia ter algum tipo de significado.
E a primeira sessão acabou não sendo cobrada mesmo. Voltei para casa e fiquei pensando nisso. Não era muito o que eu esperava de uma primeira relação com terapia, porque você vai em um psicólogo procurando assistência aos seus problemas internos, e não sair pensando em um problema novo... E também porque o atendimento foi meio estranho. Ela não falava nada, acredito que para estabelecer a minha liberdade de falar sobre o que eu quisesse, mas ela também não direcionava. Houve momentos que eu não era capaz de saber o que falar e ficávamos em silêncio apenas.
Mas tudo bem, ela me falar para estabelecer o valor foi algo pequeno. Passei a semana e pensei em um valor que eu considerasse justo. Acabei acordando comigo mesmo em um valor um pouco maior do que eu gostaria.
Na semana seguinte fui com o dinheiro e quando a sessão começou ela perguntou o que eu gostaria de falar. Eu abri com isso e falei o valor que eu tinha pensado. Da forma como ela tinha colocado, por ter dito especificamente que isso poderia trazer um significado, eu fiquei com a expectativa de que iríamos desenvolver o assunto. Mas não, ela falou "tudo bem" e ficou por isso mesmo. Eu perguntei quais seriam as formas de pagamento possíveis. No site onde ela anuncia, há opção de cartão de crédito. Eu queria, como cliente, uma opção que não me obrigasse a andar com dinheiro por aí. Depositar antes, pagar o boleto, ou a opção do cartão de crédito que ela anunciou no site. Mas quando perguntei ela falou que iria ser em dinheiro. Eu tentei ver se não havia outra possibilidade, porque eu tinha que sacar o dinheiro no dia, pegar o metrô e ir até lá. Ela somente recusou, sem explicar os motivos. Vou aceitar que foi porque ela não tinha outra opção de receber, mas não falamos mais sobre isso. Deu mais um tempo sem nenhum de nós falarmos nada e quando ficou desconfortável eu abri outro assunto.
E eu sei que foi só o segundo atendimento. Mas ela não falar nada em nenhum momento, e nesse dia inclusive ficar mascando chiclete enquanto eu estava lá confuso, me incomodou um pouco. Até que em uma hora eu falei que estava meio estranho, porque eu estava falando mas não estava recebendo nada, que não me soava natural falar e não ter nada a ouvir. Aí ela imediatamente respondeu bem séria dizendo que não aquilo não era uma conversa, que não iria haver retorno da parte dela. Eu acredito, e não acho que ela estava errada nesse aspecto, que ela estava definindo os limites profissionais na relação terapeuta-paciente. Mas pelo tom, e provavelmente porque eu estava vulnerável, eu senti que foi um pouco agressivo. Algo que poderia ser tão assertivo, mas sem a rispidez. Aquilo me deixou um pouco desconcertado, porém antes que eu pudesse interpretar qualquer coisa ela terminou a sessão. Foi um clima bem desconfortável. Tinha passado apenas 40 minutos, eu falei "ah, ok...?", ela levantou, eu levantei e sai. Dei 10 passos e antes de sair do prédio eu me toquei que não tinha pago. E foi por pura confusão pelo modo abrupto como a sessão terminou. Voltei, bati na porta, falei "desculpe, eu esqueci de te pagar". Ela recebeu e eu sai.
Aí, dada essa sensação estranha das primeiras duas sessões, eu sabia que não iria conseguir continuar com ela. Foi incompatível. Parte porque eu não botei fé que ela iria me ajudar em alguma coisa. Eu posso estar errado nisso, pode até ser um método super eficiente. Mas sei lá. Parte porque foi estranho ela não ter falado o valor e feito eu decidir quanto pagar. Na época eu não sabia, mas isso vai contra o código de ética do psicólogo. Que diz que o valor deve ser comunicado antes do trabalho ser realizado, e nesse caso o valor foi somente acordado a posteriori. E também pela forma como ela estabeleceu a relação. Que para mim foi meio agressiva.
Enfim. Eu sai de lá e fui em uma padaria comer um pastel porque comecei a tremer sei lá porque. Fiquei refletindo sobre e decidi que não era para mim. As políticas dela eram essas e estavam claras: Eu iria definir o valor a pagar, iria ser em dinheiro, e nas sessões eu iria falar sem que ela desse qualquer direcionamento. Eu tinha ou que aceitar ou não. Sem ela ter me passado a garantia de que aquilo iria me ajudar ou garantia de que eu não estava indo só perder meu tempo, decidi não continuar. Mandei uma mensagem cancelando. Eu tinha que mandar a mensagem porque havia ficado implícito que eu iria na semana que vem então eu precisava cancelar. Mas eu só queria terminar aquilo e não me justificar, então mandei a seguinte mensagem:
Boa tarde, ***. Obrigado por ter me recebido hoje. Gostaria de avisar, entretanto, que não darei continuidade nas sessões. Agradeço novamente pela disponibilidade e ajuda. Abraços."
Ela respondeu com algo inusitado:
mvpetri tudo bem? O que você acha de conversarmos sobre isso na próxima sessão?
Fiquei confuso porque eu falei justamente que não iria na próxima sessão, então respondi:
"Oi, desculpe se minha mensagem não saiu clara. Quis informar que não darei continuidade com as sessões. Aviso para que possa liberar o horário de sua agenda."
Posso ter sido meio indelicado nessa última, mas na hora eu estava mais confuso do que querendo passar mensagens implícitas, então fui bem direto e sincero. Ela compreendeu e disse que tinha colocado a possibilidade de conversar para saber porque eu tinha mudado de ideia. Só que aí eu não estava mais aberto a falar mais nada. E essa foi a minha primeira história com terapia hehe
Isso é normal? Afetou um pouco a minha decisão de procurar terapia novamente. Eu vou ter que definir quanto pagar todas as vezes? Se eu não souber o que falar e ficar em silêncio, é um foda-se pra mim então? Que experiência estranha.
submitted by mvpetri to brasil [link] [comments]


2019.07.25 00:26 AntonioMachado [2001] Álvaro Cunhal - As seis características fundamentais de um partido comunista

Artigo: https://www.dorl.pcp.pt/images/classicos/ac_6caracteristicasdumpc.pdf
submitted by AntonioMachado to investigate_this [link] [comments]