Namorando uma mulher independente

Minha mãe não aceita minhas preferencias de roupa

2020.07.08 01:24 overjoyedOxygen Minha mãe não aceita minhas preferencias de roupa

Pois então, ano passado eu comecei a me sentir mal com meu corpo e comecei a sentir extrema vontade de me vestir do genero oposto por completo e isso estava me causando muita ansiedade. Eu não me sinto mais confortavel com ter a aparencia de um homem e gostaria de me vestir de mulher, porém não sou trans, só quero fazer crossdressing mesmo. Eu ainda não sou independente, o que significa que eu teria que contar para minha mãe se eu quiser evitar surpresas, o problma é que minha mãe é um tanto religiosa, preconceituosa e mente fechada.
Eu acabei demorando um bom tempo para contar para ela das minhas vontades por causa disso, mas achei que ela ia ao menos entender por causa do jeito que ela sempre me tratou e ter aceito minha descrença em deus de boas... infelizmente não aconteceu bem assim. Quando eu contei pra ela eu ia sair pro cinema com meu primo e aproveitei para dar essas duas horas para ela pensar e tudo mais, mas quando cheguei ela estava chorando e em choque essencialmente.
Os próximos dias (ou semanas, n sei mais) foram uma desgraça, ela vivia se fazendo de vítima dizendo que era um trauma para ela e que era muito para ela lidar, dizia que eu não seria mais a msm pessoa, que ela queria ser avó (????????), disse que eu não estava realmente namorando com minha namorada (?????????????) e em geral tornou essa situação toda sobre como ela estava se sentindo estilhaçada por isso ao invés de pensar em mim por um segundo sequer e ficou tentando usar "argumentos" para me fazer desistir. Eu me senti extremamte culpado e prometi que não quero mais fazer isso, ou seja, fui forçado a menti para ela não ter um ataque e me sinto mais culpado ainda por isso.
Resultado? Agora minha ansiedade aumentou, me sinto sujo por isso tudo e não posso nem mudar coisas menores na minha aparencia sem correr risco dela ficar coisada dnv.
submitted by overjoyedOxygen to desabafos [link] [comments]


2020.03.13 08:58 KawaiNee Fui babaca por desapontar minha mãe por querer apenas me proteger?

Preciso de opiniões para encontrar um rumo, talvez esse post seja capaz de mudar meu comportamento pra melhor pois não estou aguentando mais essa dúvida.
Minha vida mudou após a chegada de José (nome fictício) na minha família. Ele a princípio é ou ainda é (gera dúvidas) amigo da minha mãe. Ele veio a morar conosco na casa do fundo com o motivo de ter sido enganado pela esposa e traído pela mesma, sofrendo um baita golpe e perdido tudo (isso era verdade) todos nós queríamos ajudar (minha família é prestativa e não nos importamos de ter a presença dele conosco)
Flashback momentâneo: Eu conheci o José um pouco antes dele morar com a gente, ele era um cara legal e aparentava ser o único amigo leal da minha mãe, ambos trabalhavam juntos e minha mãe confiava nele cegamente. Vê-lo me deixou um pouco insegura naquele dia de mudança, parecia que algo muito... Muito... MUITO RUIM iria acontecer, sendo o meu pior erro ignorar esse mal presságio.
Se passaram meses até finalmente eu me acostumar com a presença de José, ele era quase da família e não nos importávamos de ter a companhia dele aqui conosco todos os dias na ausência do meu Pai, ele nos ajudava com inúmeras coisas e me ajudou na época de depressão (problemas escolares) e me ajudou a superar isso e partir para outra escola (do qual eu amo de paixão) tudo estava tranquilo e razoável até as coisas mudarem bruscamente. Ele era alcoólatra e isso nunca foi um segredo, todos nós sabíamos disto mas até então aparentava ser apenas um alcoólatra sociável, no entanto eu estava duramente enganada...
Conforme foi passando o tempo José foi ganhando espaço e poder na minha casa, assim que meu pai saia para trabalhar parecia que ele tomava o poder Celeremente. Ele não só conseguia espaço e poder na casa, mas como também nas nossas vidas. Mostrando quem ele realmente era.
Eu e minha irmã perdemos a liberdade por inteiro. Não podíamos jogar, assistir animes ou qualquer outro tipo de desenho, não podíamos fazer nada que gostávamos pois já era motivo para brigas, a desculpa dele era que tínhamos hábitos ruins e que as coisas que gostávamos e fazíamos eram coisas de "retardado" e que não conseguiríamos nada na vida gostando dessas coisas. Ele era muito manipulador e até mesmo mentia para minha mãe para ela se virar contra nós e fazê-la obrigar ambas a cumprir com o que ele mandava. A desculpa dele é que meu pai era irresponsável por nos ensinar a gostar deste tipo de entretenimento e que devíamos estudar mais (quem me dera se fosse apenas estudar) limpar casa, fazer almoço e jantar, alem de fazer tudo que ele mandar e deixar ele fazer tudo que ele quer, na hora que quer e quando quiser, sendo a preferência dele a prioridade.
Nesta época o tempo da escravidão havia voltado pelo visto, não tínhamos espaço e nem liberdade para nos divertir, tínhamos que ser robôs e estudar loucamente.
Sou uma pessoa relutante e odeio quando me obrigam a fazer coisas que não quero ou que não acho certo, essa minha atitude apenas piorou minha situação. Ele provocava minha irmã até ela chorar e desistir de se divertir (olha que ele é um homem adulto e ela apenas uma criança.) Era costumeiro ele me ofender publicamente e dentro de casa (xigamentos que obviamente não vou citar) ele era extremamente machista, uma pessoa tóxica de mente muito fechada, era cruel e incompreensível, além de ser desumilde. Nos torturava psicologicamente na ausência de todos, e quando tentávamos contar para nossa mãe ela nunca acreditava em nós, e se acreditava, sua ideia mudava rapidamente com algumas mentiras dele.
Como se não bastasse toda essa situação, ele usufluia do dinheiro do meu pai e da minha mãe (sendo que meu Pai nem sabia desta nossa condição) ele era egoísta e só pensava nele mesmo, podíamos estar morrendo de fome, ele sempre preferiu comprar uma lata de cerveja do que uma mistura para o jantar. Esse meu ódio foi crescendo a cada dia que passava, eu perdi a noção do que é dormir ou de como era o silêncio, me tornei uma pessoa hostil e sempre ficava na defensiva para com todos, estava com medo o tempo todo e apenas queria ficar longe de casa, não queria voltar para lá e muito menos ver minha mãe ou ele, eu apenas voltava pela minha irmã, pois assim eu poderia defender ela, mas na verdade nem eu estava conseguindo me proteger direito, não sabia se eu iria suportar mais um dia daqueles, tudo parecia um pesadelo que não tinha fim, eu me sentia traída pois minha mãe havia mudado pra pior, não era mais a mesma mulher que eu admirava, eu me sentia sozinha e infeliz. Tudo foi apenas piorando e me tornei uma pessoa doente, fria, além de desconfiada e fechada. Não confiava em ninguém e nunca queria me socializar com ninguém.
Esse demônio tentou de tudo fazer minha vida um inferno e conseguiu, por causa dele quase perdi pessoas (incluindo meu namorando, que na época era meu melhor amigo e me ajudou MUITO nessa época), me fez ficar contra minha mãe e me deixou numa saia justa, pois eu era constantemente ameaçada por ele e por minha mãe a não contar para o meu pai o que acontecia em casa, estava farta dessa injustiça e estava começando a considerar a fazer uma loucura. Estava confusa e não sabia o que fazer, apenas queria paz e sair daquela situação.
Um ano de sofrimento e o pior aconteceu, minha irmã sofreu um acidente de carro ocasionado pelo José, ela quase morreu e só não morreu por muita sorte. Nunca vou me esquecer da imagem de ver minha irmã em prantos, sangrando e agonizando de dor (isso foi no centro da cidade, na esquina da minha escola. Quando fiquei sabendo pela boca de outros corri na hora pro local) quando cheguei em casa chorei de agonia (choro de berros) estava com medo, medo de perder minha irmã por culpa desse idiota... Tive que passar pelo difícil momento de contar ao meu pai sobre o acidente e estragar o dia de trabalho dele. Quando ele chegou ficamos esperando pela chegada da minha irmã, assim que ela chegou meu Pai a abraçou em choros (nunca tinha visto meu Pai chorar, foi a primeira vez e foi um choque) ele estava em pânico e não parava de chorar, a pobre da minha irmã estava lotada de curativos e pontos na cabeça, além de marcas e dores pelo corpo, me admira ela ter sobrevivendo daquilo. A única coisa que José e minha mãe falaram foram: "Foi só um arranhão." Como justificativa.
QUE RAIO DS MÃE É ESSA? Minha mãe não chorou, não demonstrou NENHUM sentimento. Isso estava ficando longe demais e eu tudo isso foi por culpa minha. Fiquei com raiva e meu pai também, foi uma briga intensa e nestes dias a família ficou muito dividida.
Não quero contar tudo, mas nestes dias houve muitas brigas e humilhações, sendo até caso de polícia e ameaça de morte, muitas coisas aconteceram após o acidente que apenas pioraram. Houve agressão da minha parte e do meu pai, uma briga generalizada...
Hoje em dia José está numa clínica de recuperação e minha mãe o visita em segredo. Ela continua falando bem dele e o defendendo com unhas e dentes. Ela mostra não se importar com os sentimentos da família e está sendo egoísta, do qual Aparentemente, possui atração pelo José (que está mais do que óbvio, menos para meu pai que ainda não percebeu)
Minha mãe se tornou uma pessoa muito hostil e agressiva, vive falando dele até hoje em qualquer momento em qualquer lugar. Nunca vi mulher gostar tanto de um homem tão rebaixado que vivia maltratando tudo e a todos, principalmente suas filhas. É Deus na terra e José no céu.
Isso é mais do que nunca o estopim das nossas brigas e atualmente não temos uma ligação agradável, não confio nela e sinto que fui traída e não reconhecida por isso. Meu pai pode ter os defeitos horríveis dele, mas ele defendeu sua cria quando foi necessário. Minha mãe por amor e fantasias permitiu que ele fizesse tão mal e deixasse uma ferida enorme em nós. Sou dura com minha mãe e não fico mais calada perante suas grosserias, ela não tem o direito de me exigir nada, já que ela está sendo muito hipócrita e desumana, ela continua não respeitando meu tempo e obriga minha irmã e eu a perdoar o José (a força, dá pra acreditar? Não ficaria surpresa se ela me colocasse uma arma na cabeça) ela tenta nos convencer do contrário o tempo todo, lógico que não caímos nessa (além do fato de sempre falar dele, pra qualquer pessoa, em qualquer lugar e qualquer hora. Não tendo mais assunto) eu e minha mãe perdemos a amizade, admito ter falta da minha antiga mãe, uma mulher que mesmo brava e impulsiva me amava e guardava meus segredos, além de sempre estar comigo pro o que der e vier.... Estou chorando enquanto escrevo este texto pois sinto que eu a perdi pra sempre.
Esse foi o resumo da minha situação (ainda tem MUITA coisa, só pra ter noção do quanto de B.O que eu e minha irmã enfrentou. Isso que eu escrevi aqui não é nem 5% do que passamos. Só não coloquei tudo para não ficar tão cansativo. )
Comentários: Estou confusa pois algumas pessoas opinaram sobre.
Alguns dizem que eu estava errada pois querendo ou não, ela é minha mãe, independente do que ela faça tenho que respeita-la, e que meu comportamento foi errado e infantil.
Outros dizem que eu estava apenas me defendendo de pessoas tóxicas. Que não merecia passar por isso em troca de alguns mimos para minha mãe. Dizendo igualmente que minha mãe NÃO teve atitudes de uma mãe, e que ela esta péssima em cumprir com seu papel maternal.
Minha opinião: Sobre tudo que eu passei não acho que seja egoísmo uma pessoa se preocupar em proteger a própria saúde emocional e psicológica. Na minha opinião, sendo família ou não, ninguém merece sofrer com pessoas tóxicas. Só por que é família não significa que estes possuem o direito de nos fazerem mal, de que se deve abaixar a cabeça e aceitar de bom grado o que é nos dito. Sei que cometi erros mas sou uma pessoa traumatizada e estava com medo e confusa, estava entre a cruz e a espada e continuo neste mesmo estado. Minhas reações são de uma pessoa desesperada por paz e tranquilidade. Eu só quero minha mãe de volta.
Conclusão:
Estou sendo babaca por ser tão dura com minha mãe e de possuir agora essa personalidade tão gélida?
Tomem liberdade para julgar...
Ou
Ou
Ou
INFO (Faltou informações.)
Desculpem tomar o seu tempo com o meu desabafo... Me sinto muito sozinha e não tenho com quem desabafar. Preciso de opiniões exteriores para tomar uma atitude positiva em relação a isso...
submitted by KawaiNee to desabafos [link] [comments]


2018.08.03 16:50 actualbislut Não vejo sentido em uma pessoa "se assumir"

Minha mae antigamente era muito preconceituosa, se eu tivesse me assumido teria sido tratada como uma paria, pior que lixo. Na verdade teve uma epoca que ela nem queria ser vista comigo na rua por medo de as pessoas pensarem que somos um casal e olha que nem sou do tipo bofinho(o que geraria mais suspeitas , nada contra). Digam o que quiserem mais uma coisa que ajudou muito foi a crescente visibilidade de LGBTs na midia e varias atrizes namorando abertamente mulheres, ficar com pessoas do mesmo sexo passou a ser considerado algo mais normal. Minha mae foi aceitando aos poucos a ideia, ainda não completamente ahshasah, não falar nada, so deixar ela perceber sozinha foi melhor que eu ter jogado a bomba no colo dela de uma vez. Sou mais do grupo de pessoas que pensa que minha vida particular so diz respeito a mim, que nem é da conta dos meus pais. E tambem nao sou financeiramente independente, o que nao sgnificava que tinha que fazer o que eles queriam, so fingir pra evitar conflitos. Quando alguem perguntava sobre namorados sempre dizia que to focando nos estudos, o que nao deixa de ser parcialmente verdade.
Resumindo: A nao ser que sua familia seja mente aberta, nao vale a pena se assumir pra eles, o melhor é esperar até nao depender mais deles pra pagar tuas contas. Além disso com o tempo eles vao se acostumando com a ideia aos poucos, os pais percebem essas coisas não tem jeito.
submitted by actualbislut to arco_iris [link] [comments]


2018.02.16 01:56 antoniobrasileiro Sem direção...Fui traído.

Senta que la vai textão: Faz 10 anos que estou casado com minha esposa. Temos um filho de 10, namoramos pouco tempo, ela ainda era virgem, e eu já tinha vivido outros relacionamentos, (temos uma diferença de 7 anos). Quando descobrimos que ela estava gestante resolvi que casaríamos, confesso que logo no início eu apenas gostava dela, mas sabia que ela era uma pessoa boa de coração, eu já estava cansado de badalação, queria encontrar alguém pra compartilhar uma vida. Então conversamos, disse que estava disposto a casar com ela, e ela aceitou. No início foi muito difícil a convivência, pois sou um cara que gosta das coisas certas, às vezes até demais. Ela cresceu vendo sua mãe ser auto suficiente, de maneira que quando pedia pra fazer algo diferente, de outra maneira, ela achava que eu queria mandar nela, botar ordem. Nunca foi minha intenção, eu apenas queria orientá-la para que as coisas não dessem errado. A família dela é bem humilde, isso nunca foi problema pra mim, porém ela acha que minha mãe não queria que casasse com ela, acha que minha mãe sempre fala algo pra tentar machucá-la, e sinceramente tenho certeza que não é isso. Mas enfim, a questão é que vira e mexe acabamos tendo brigas por conta disso, e o mais engraçado é que a briga é por causa da minha família, que ela começa por conta desses achismos, às vezes porque acha que a madrinha do nosso filho (minha irmã) está mimando demais ele, dando muito presente fazendo as vontades. Graças a Deus as brigas que eram por nós mesmos diminuíram bastante. Eu nunca a proibi de nada, mesmo! Eu sempre a deixei fazer e comprar oque ela queria . Temos uma vida confortável, meu trabalho apesar de ser necessário que esteja constantemente viajando remunera bem, com isso ela nunca precisou trabalhar. Mas ela não é dondoca, de só ficar em casa sem fazer nada, ela me ajuda muito cuidando da casa, e agora tomando conta do negócio que montamos (guardando dinheiro) quando estou fora. Depois que nosso filho fez dois anos ela quis fazer faculdade de educação física, eu dei o maior apoio pra ela. Lá no fundo eu sabia que a desgraça viria deste curso, eu nunca disse isso a ela. Enquanto ela estava fazendo o curso eu nunca desconfiei de nada, com exceção de uma vez que ela disse que ia pra faculdade, aconteceu um imprevisto e tive que ir lá pegar ela. O campus da faculdade é bem grande, eu sabia quais eram as salas que ela tinha aula, mesmo assim eu não a encontrei. Liguei várias vezes o telefone só chamou, quando eu já estava voltando pra casa, ela me ligou, disse que estava na parada de ônibus próximo. Perguntei onde ela estava, ela disse que estava no laboratório, e eu realmente não tinha ido lá, já que não sabia onde ficava. Em 2015 sofri muita pressão no meu trabalho, pois minha empresa estava prestes a perder um importante contrato, e além disso tinha conseguido uma vaga muito difícil em curso que me possibilitaria ascender em minha carreira. Como a instabilidade na minha empresa estava crescendo, isso significava que teria que arcar com todas as despesas sem trabalhar durante 6 meses. Pra completar o cenário, a crise veio com força, e começou a surgir histórias de que o curso seria cancelado. Fiquei uma pilha de nervos, pois ficaria desempregado, não faria o curso e sem perspectiva nenhuma de emprego, pois na função que estava não apareciam vagas. Confesso que nem eu estava me suportando às vezes, eu transferi um pouco dessa pressão pra ela. No final de 2015 fui demitido, e no início de 2016 saiu a resposta que eu mais esperava, o curso seria realizado! Fiquei um pouco aliviado, mas a crise se aprofundou na minha área, e as vagas que apareciam para posições superiores também minguaram. O curso seria realizado em uma cidade onde conheci minha primeira namorada, porém, ela já não vivia mais lá, morava em uma cidade no mesmo estado porém a várias horas de distância. Além disso já não gostava dela há muito tempo, eu estava casado e minha ex namorando. Nessa cidade ainda moram muitos amigos meus de faculdade, que não os via fazia tanto tempo. Foi natural que eles me convidassem pra ir assar uma carne e tomar cerveja, sair pra um barzinho, e ir uma vez em um show. De uma vez que sai com meus amigos, passei bastante tempo com eles, meu telefone descarregou. No outro dia ela me ligou dizendo que eu tinha ido me encontrar com a ex. Durante o curso todo ela achou que eu estava fazendo coisa errada...Sinceramente depois do que descobri, queria ter feito. A verdade é que depois que casei com ela, nunca estive com outra mulher, nem mesmo beijei outra mulher. Acho que ela não acredita nisso… Durante o tempo que estava realizando o curso apareceu a oportunidade de montarmos o negócio que estamos tocando. Não tinha como eu tocar a obra de outra cidade, então ela ficou encarregada disso, com meu auxílio pelo telefone. Tivemos muitas brigas por causa das obras, porque muitas vezes ela queria fazer do jeito que ela achava, e muitas vezes errado, sendo que eu explicava tudo pra ela como deveria ser feito pra não ter desperdícios, pra não estourar nosso orçamento e nem atrasar as obras. No final das contas inauguramos nosso empreendimento, e está indo muito bem obrigado. Sempre foi meu sonho poder um dia largar meu trabalho e poder trabalhar perto dela e do meu filho, ter uma vida estável sem precisar me ausentar. A empresa inaugurou em outubro de 2016, atrasou um pouco, mas sem maiores consequências. Nesse meio tempo o curso já havia terminado, e eu estava empregado novamente na posição que o curso me proporcionou. Gente, vocês não têm noção de como eu fiquei mais leve, relaxado, aquele peso todo que sentia estava finalmente saindo das minhas costas. Algumas brigas ainda existem por conta do negócio, mas normal, nada sério, nessa parte sabemos que os assuntos do negócio têm que permanecer lá depois que fechamos as portas no final do dia. O ano de 2017 veio de uma forma muito boa, pelo menos pra mim. Teve uma vez que nos desentendemos feio. Foi ela que começou a puxar assunto sobre minha irmã, aquela mesma história que já falei, ela achar que a madrinha denga muito o sobrinho. Nesse dia senti que ela estava arrumando um pretexto pra arrumar confusão comigo, passou uma duas horas falando, e queria que eu ligasse pra minha irmã pra reclamar sobre o assunto. Não fiz, até porque era ela que estava incomodada com a situação, e além disso o filho não é só meu. Às vezes temos algumas brigas sérias por conta do nosso filho, porque ela muitas vezes espera que eu o corrija...Costumo dizer que ela só quer os momentos bons com ele...Acredito ser verdade, pois muitas vezes quando ele está fazendo mal criação, ela grita de lá: “olha marido oque teu filho tá fazendo”. Caramba, isso me dá nos nervos, quando o filhote faz isso comigo não espero por ela. Eu o corrijo na mesma hora. E ela muitas vezes não faz, ou me chama pra dar bronca. Agora nem vou mais, só faço falar: “Te vira! É teu filho também”. Antes de tudo quero que ele cresça um homem íntegro, respeitador e honesto. Aí veio agosto de 2017, meu mundo veio a baixo. A felicidade que sentia, quando estava em casa com eles, minha esposa e filho, ao vê-los correndo pela casa, quando eu estava brincando com eles na cama de fazer cócegas era muito grande. Eu dizia só pra mim: “Obrigado meu Deus por me dar tanta felicidade”. Se no início eu apenas gostava dela, naquele momento eu a amava demais. Tudo isso acabou! Descobri que ela estava me traindo com um ex professor da faculdade. E pra completar ele mora na rua de trás de casa. No início ela tentou negar tudo, dizendo que era invenção da minha cabeça. Mas eu tinha provas, e contra provas não há argumentos. Ela tentou esconder quem era a pessoa no início, tentou dizer que saiu só aquela vez que descobri...Mas aos poucos, por conta própria, descobri que ela já vinha saindo com o cara desde 2015, lembra da pressão que estava sofrendo? Pois é, e essa história toda de estarmos sofrendo pressão, foi oque ela diz ter causado a traição. Quando estive fazendo o curso, ela saiu várias vezes com ele, e depois me alegou que era porque achava que estava saindo com minha ex. Em maio de 2017 foi a última vez que ela diz ter saído com ele. Aqui eu preciso fazer um parêntese: Mais ou menos em 2013, não lembro bem a data, sério, a ex entrou em contato comigo, ai acabou que fizemos várias chamadas pelo skype, e ficamos nus um para outro. Rolou masturbação, confesso. Mas parou aí. Nunca mais encontrei com ela, e depois disso também não falei mais com ela. Logo depois que aconteceu as chamadas de skype, me arrependi muito, não é uma coisa que sinto orgulho. Mas também até eu descobrir a traição da minha esposa, eu ainda não tinha contado pra ela oque havia ocorrido. Ou seja, teoricamente, ela não teria motivos reais pra me trair, porque ela nem desconfiava. Brigamos muito, xingamos um ao outro. Eu chorei muito, ela também. Ela diz que sempre me amou, nunca deixou de gostar de mim. Que acha que foram coisas que deveria ter feito enquanto era solteira. Estamos juntos, ainda gosto muito dela...Tenho medo de perder minha família… Mas fico muito receoso de quebrar a cara novamente. Às vezes sinto que fui duplamente sacaneado por ela, porque se eu quiser me separar dela, terei que abrir mão também do meu sonho, de trabalhar perto de casa. Não existe um dia que não pense no que ela fez, no que ela pode ter feito com o cara. Me sinto muito humilhado. Estamos junto, mas por enquanto não consigo me ver novamente com ela como antes, os dois velhinhos… Ela toda curvadinha e eu segurando ela pelo braço...Cara é foda! Que vontade de chorar! Sinto meu orgulho ferido...Eu posso não ser o melhor homem do mundo, mas também sei que não merecia isso, sei que a opção de fazer foi totalmente dela, independente das pressões, brigas e dificuldades que tenhamos passado. Eu fiz uma viagem com ela agora para um destino romântico, foi legal...Mas...Depois disso tudo sempre tem o “mas”. Essa semana briguei feio com ela novamente, não estou em casa, estou trabalhando…Sinceramente não sei oque fazer. Já tentamos psicóloga, mas acho que não adiantou muito não. A verdade é que às vezes queria machucá-la, fazê-la sentir oque eu sinto às vezes. Essa semana instalei tinder e esses outros app, queria me sentir valorizado. Às vezes me vejo fazendo e dizendo coisas pra ela só pra ver se ainda gosta de mim. Me sinto ridículo quando percebo. Teve ocasiões em que até pensei em inventar pra ela que estive com a ex. Agora estou pensando em fazer uma viagem sozinho, pra um lugar bem distante quando sair do trabalho. Penso que preciso de um tempo só comigo mesmo. Queria opiniões e maneiras de pensar de pessoas que não façam parte do meu convívio. Por isso postei aqui.
submitted by antoniobrasileiro to desabafos [link] [comments]


2017.07.23 15:08 kef1rBR Será que eu termino?

Olá amigos! Estou numa dúvida cruel, e também pode ser paranoia minha. Vou explicar da melhor forma possível.
Estou num relacionamento sério há 4 anos, beirando os 5. Nossos planos são de ir ao matrimônio, mas eu ainda tenho algumas incertezas que surgiram a pouco tempo.
No final do ano passado o irmão da minha namorada faleceu em um acidente de carro. Ela, naturalmente foi para a cidade onde o irmão dela morava e que o pai dela mora também. (nós dois moramos em SC mas não juntos, o pai e irmão dela moram no RS). Nós morávamos nessa cidade e começamos a namorar lá mesmo e depois nos mudamos pra SC pra cursar faculdade e tal. Acredito que nossos únicos amigos são dessa cidade, enfim.
Eu fui pra lá uns 2 dias depois porque não tinha realmente como ir devido ao trabalho e ela entendeu isso, ela sabe que eu sou independente e que pago todas as minhas contas sem ajuda.
Ela ficou mal e nesse período de luto ela pensou muito sobre a vida. Acho que quando acontece uma fatalidade na família as pessoas param e pensam sobre o que andam fazendo de suas vidas e sempre acham que poderiam estar melhores se fizessem tal coisa. Pra metade de janeiro ela começou a querer ir em festa, boatezinha. Até aí tudo bem pois ela iria com os primos(as) e por mim tava de boa. Só que nessa ocasião em especial, um amigo dos primos(as) dela foi junto com eles pra essa festa, e até onde eu sei durante a festa não aconteceu nada de mais, ela só tava se distraindo. MAS, quando estavam pensando em ir embora ela foi no carro desse amigo pra casa (SÓ OS DOIS), ela nem conhecia o cara direito e já pegou carona pra casa. Quando chegaram na porta da casa dela, o cara tentou ficar com ela e ao que tudo indica ela não ficou com ele, MAS... MAS trocaram whatsapp e se adicionaram no facebook e instagram.
E é aí que começo a duvidar das coisas e a questionar o que antes pra mim não tinha segredo nenhum que era a nossa relação. No dia seguinte a esse acontecimento, já que eu sabia sobre a ida dela a uma festa, decido, logo que acordo, bisbilhotar o facebook dela. ELA. ELA adicionou o cara. Foi ELA que mandou o convite de amizade. Até então não sabia o que relatei mais acima, pois estava na minha cidade saindo pro trabalho, mas achei estranho ela simplesmente adicionar alguém do nada, logo após ir pra uma festa. Na hora imaginei que foi besteira minha ou sei lá, mas aquilo ficou na minha cabeça.
Eu já tava ficando louco com essa história, primeiro ela saí pra uma festa, aí adiciona um maluco do nada em três redes sociais (mas até então eu só sabia de duas). Fui pra casa do meu sogro nesse mesmo dia, após o trabalho. Durante a viagem a minha namorada postou uma foto antes de ir pra festa no instagram e o cara abriu uma conversa com ela pelo instagram com aquele emoji de "cara de safado". Eu só consegui ver essa conversa porque o instagram dela tava logado também no meu celular e apitou pra mim a conversa.
Não lembro o que falei com ela, mas printei e enviei pra ela PUTO da vida. E isso eu tava no ônibus indo visitar ela, também não lembro como ela contornou essa situação.
Chegando lá eu consigo pegar o celular dela e vejo que eles conversaram um pouco. Lendo a conversa eu logo deduzi que era aquele papo de macho que tenta chegar em mulher pelo whats mas ela não dá muita bola. Porém, só pelo fato dela responder eu já tava ficando "cabreiro". Na noite em que estou lá, ela teve que deixar o celular dela carregando no quarto em que eu estou dormindo (não dormimos juntos na casa do pai dela por causa da irmã menor). Deixei passar algumas horas... mentira, minutos... e peguei o celular pra olhar. Abro o SnapChat e vejo que ele é um dos que ela mais conversa e manda direct (foto etc). Senhores, foi nessa hora que percebi em como sei controlar uma explosão de raiva e sentimentos de tristeza e agir naturalmente. Só não lembro como consegui dormir aquela noite. Não deixei transparecer nada, queria ver até onde isso iria. Se ela viria me contar alguma coisa, na verdade não sei o que eu estava esperando.
Enquanto estávamos na casa do meu sogro, fomos até a minha vó para almoçar, onde minha mãe estava passeando. Meus primos do MS estavam por ali também. Ela senta do meu lado na roda de conversa e vez e outra pega o celular, eu percebo que ela tenta não deixar a tela do celular entrar na minha linha de visão, parecia que ela não queria que eu visse com quem ela estava conversando. Logo após o almoço, sentados na sala ela vai ao banheiro e eu vejo a notificação de mensagem do celular dela (não sei como ela deixou o celular no sofá, porque ultimamente ela tava levando pra todos os lados e isso não era costumeiro dela). Por ser um android, eu só puxei a barrinha das notificações e consegui ler um trecho da conversa, eles estavam tendo um papo cabeça aparentemente, mas não sei bem do que se tratava e não posso garantir que era o que eu pensava pois o SnapChat não grava as conversas e tal. Eu continuei com o pensamento em Sun-Tzu: “Triunfam aqueles que sabem quando lutar e quando esperar”. Por que até então eu não tinha nada concreto pra chamar pra uma conversa e tal, e eu queria algo irrefutável.
Lembro de no dia em que eu estava indo embora eu perguntei pra ela como quem não quer nada: - Amor, tu tem algo pra me falar? Ela me olha com aqueles olhos verde-azulados e responde: - Não amor.
(teve mais algumas linhas de diálogo mas o final vai ser o mesmo)
Já em SC, com o whats dela no meu notebook vejo que ela comentou com uma amiga dela (uma que chamava ela pra ir nas festas) sobre esse cara, e carinhosamente estavam chamando ele de "gui". Se alguém já passou por algo assim, só de ler uma barbaridade dessas sente um bolo de sentimentos incômodos. Teve mais alguns acontecimentos que me deixaram muito triste em relação a isso, mas não vou citar por que tá ficando muito extenso (se alguém pedir eu edito e acrescento).
Eis que ela volta pra minha cidade e finalmente vou poder conversar com ela sobre isso, mas tive que esperar mais alguns dias por que o pai dela veio junto pra passar uns dias na minha casa, litoral. Eu peguei o celular dela e vi que eles ainda se falavam, mas só pelo SnapChat, onde não tem histórico de conversa e a única coisa que aparece são os "favoritos" ou sei lá como diabos isso se chama nesse app.
Um dia, solto pra ela que tenho uma coisa muito séria pra conversar(eu não tava mais aguentando) Ela fica ressabiada, por que eu não deixei transparecer sobre o que era, mas acredito que ela imaginou porque aquela conversa que eu cito que peguei no whats ela apaga, as coisas do instagram que ela acha que eu não tenho a senha, porque depois do print que enviei pra ela da carinha de safado, ela mudou a senha. (não vou explicar como consegui a senha) Ou seja, todas as coisas que poderiam ser usadas contra, ela apaga e dá um sumiço.
Ela tenta todo dia me persuadir a conversar com ela e eu sempre digo: "Espera teu pai ir embora, aí conversamos."
Estamos na casa do primo dela que mora em SC, não lembro o motivo mas eu tava muito cansado naquele dia e me oferecem uma cama pra eu dar uma relaxada, obviamente vou lá e ela vem atrás logo depois de eu deitar. Aí ela pede pra mim novamente o que eu quero conversar com ela e eu jogo a merda no ventilador.
Só digo que um amigo me disse que viu ela entrando no carro desse cara. Até aí ela imaginou que era bobagem minha e que eu não saberia de muito mais coisas. Insisti perguntando no que aconteceu durante a viagem deles até a casa dela e fico questionando o porque de entrar no carro do cara sozinha sem nem conhecer direito. Ela tenta me dizer que conhece ele (talvez de vista pode ser que conhece mesmo, mas conhecer de se falar jamais). Resumindo a conversa: Ela tentou negar tudo, mas eu insisti e ela acabou admitindo e tal, pediu perdão e etc etc, disse que tava abalada com o falecimento do irmão dela e que tava tudo muito confuso, que me amava e tal. Excluiu o SnapChat e não falava com ele.
Mas, hoje acordei e como ela tá de férias na casa do pai dela eu fiquei meio "assim". Por que quando ela vai pra lá, ela quase não conversa e responde pouco. Olhei o instagram dela, e ela tinha comentado uma "historie" dele, só com três emoji "TOP TOP TOP".
Cara, fiquei cabreiro! ainda mais que ela excluiu e do nada veio falar comigo mais do que três linhas de diálogo no whats ou três palavras, toda amorosa... coisa que ela não tava a viagem toda (ela pega o busão de volta hoje).
Segue whats:
ELA: Sim ELA: Ta bom então kk ELA: Tudo bem amor? Eu: hmm tudo Eu: tá tentando me esconder algo? ELA: Não ELA: Porqe? Eu: não sei, do nada tu tá amorosa ELA: Meu Deus amor

Eu: até ontem nem falava direito

Agora com tudo explicado, tenho que explicar uma outra coisa. O meu problema não é dela ficar de papinho com alguém e tal, não sou do tipo possessivo, tanto que antes não me importava dela sair, pq eu conseguia confiar piamente nela. O que realmente me incomoda é o fato de ela saber que eu não gosto do cara, saber que isso me deixa triste e que já foi motivo de quase terminarmos e ficar dando trela. Saca? O que eu interpreto dessa atitude dela de falar com ele é que ela quer dizer "Ei eu tô namorando mas eu tô aqui! Não esquece de mim!" Outra coisa é ano que vem, uma das possibilidades dela é ir pro RS, na casa do pai dela. E não sei, mas ela não demonstra muito que quer morar junto comigo nesse momento. Acho que eu tô mais pensando como casal e ela tá mais na dela, querendo conquistar as coisas dela. Não tiro esse direito, mas se ela for pro RS mesmo eu não vou querer ficar num relacionamento a distância, ainda mais que ela fica dando trela pra um cara que quer ficar com ela. Eu não tenho como ir pro RS junto porque tenho um contrato de aluguel aqui, e lá na nossa cidade não tem muita perspectiva... ir pra lá seria um retrocesso.
Também não gosto de sentir isso. Tá acabando comigo, tô fazendo coisa que eu nunca fiz de largar indiretinha no whats, coisa de criança.
Ficou extenso, mas eu precisava. Obrigado.
submitted by kef1rBR to desabafos [link] [comments]