Encontrar mulheres

Coroas

2019.09.22 17:29 fobygrassman Coroas

Saiba o top 5 dicas para encontrar coroas, MILFs, e as mulheres maduras que procuram homens mais jovens.Comece encontrá-los esta noite; rápido, fácil e gratuito. [coroas](https://traicaoagora.com/fetiche/coroas)
[link]


2020.10.26 14:15 margarita_sour Clarissa e Ricardo: Parte 1

Clarissa ficou feliz, mais um Match no Tinder. E dessa vez convenientemente perto de casa.
Conversaram pelo aplicativo, migraram a conversa para o WhatsApp. Até então seguindo o protocolo padrão dessa dinâmica de contatinhos que ela estava vivendo há quase dois anos.
Mas ela sentia que queria ir além, queria amar de novo. Quem sabe não seria agora?
Marcaram o primeiro encontro, e seria na hora do café da manhã. Na descrição de Clarissa ela tinha escrito que amava usar Allstar, Ricardo disse que não podia resistir a uma mulher de jaqueta na cintura e Allstar no pé.
Clarissa então colocou seu vestido cinza, o Allstar amarelo que anda para cima e para baixo com ela e amarrou sua jaqueta jeans na cintura.
Ela e Ricardo tinham combinando de se encontrar na esquina da casa de Clarissa por volta das 9h. Foram numa padaria alemã no bairro. Ricardo é um grande aficionado por cucas de banana.
Naquele dia não tinha cuca de banana, mas teve conversa, olho no olho e conexão.
Naquele dia Clarissa sentiu um frio na barriga, diferente do que vinha sentindo nos outros encontros que teve. Eram como borboletas dentro dela, que acompanharam ela e Ricardo em segredo até o mercado.
Sim, Clarissa convidou Ricardo para romanticamente acompanhá-la até o mercado, precisava comprar Quiboa para limpar os vasos sanitários.
Vai me dizer, não é qualquer um que topa ir comprar Quiboa às 10h da manhã né?
E na frente do prédio de Clarissa, com as sacolinhas de supermercado na mão eles se perguntaram:
- E agora, o que a gente faz?
E assim o primeiro beijo aconteceu.
E para Clarissa foi como flutuar um pouquinho, como se abaixo dos seus pés ela tivesse nuvens.
submitted by margarita_sour to u/margarita_sour [link] [comments]


2020.10.26 09:25 UninformedImmigrant U wot m8? Estórias de um gajo que se mudou para o UK [Capítulo 4.1: Racismo]

Olá amigos!
Nestes capítulos que se seguem vamos falar das duas catástrofes que ameaçam destruir o UK como o conhecemos: o double whammy, o espectacular 1-2 do Mike Tyson que são o Brexit e o Covid. Vamos tratar temas um bocadinho controversos, portanto conto levar muito flak por causa destes posts. No entanto faz parte da história e da experiência, por isso é o que é. Só prometo que não digo nada que não consiga defender, e que mudarei de ideias quando confrontado com factos que me contradigam.

TL;DR

Uma nota sobre racismo/xenofobia

Parafraseando o John Oliver: se achas que o mundo [da internet] não é muito diferente para as mulheres e minorias, parabéns pela tua pila branca [1].
Eu vou dedicar brevemente um capítulo às diferenças culturais interessantes que encontrei neste percurso recente, mas uma questão que vi ser levantada várias vezes quando vim foi a do racismo. Em particular, o potencial de eu vir a ser alvo de alguma discriminação no calor do Brexit. Talvez seja melhor deixar já os traços gerais da minha opinião para que fique claro no futuro.
Eu acredito que o racismo e, mais geralmente, a discriminação com base na nacionalidade, religião, identidade de género, etc etc etc etc, é um problema que existe. O racismo é, aliás, um fenómeno muito bem documentado no UK [2,3]. Particularmente chocantes para mim foram os ataques a estudantes asiáticos que usavam máscara no início do covid [4]. Escusado será dizer que acredito também que o racismo é inescusável, e que não tem lugar na sociedade moderna.
Acredito também que é algo perpetrado principalmente por pessoas deseducadas, desprovidas de muitas bênçãos que nós (pessoas civilizadas) temos e, provavelmente acima de tudo, que vivem vidas suficientemente difíceis para irem nessa conversa. Também acredito que o problema do racismo no UK não é cultural, mas sim político. O racismo é usado como arma de arremesso e como combustível na caldeira de comboios como o Brexit. Não se iludam ao ponto de achar que as pessoas são racistas porque são racistas; são racistas porque não sabem melhor.
Na altura em que me mudei estava, como agora, muito em voga a questão do racismo e da potencial vitimização da qual um novo imigrante poderia ser alvo. Eu nunca me senti prejudicado ou tratado de forma diferente que não benéfica por ser estrangeiro. Nunca ninguém foi desagradável de modo nenhum para mim, nunca ninguém usou qualquer tipo de calão racial para se referir a mim à minha frente, e não me senti alvo de nenhuma discriminação. Muito pelo contrário: os ingleses com quem convivo receberam-me de braços abertos na sua casa (às vezes literalmente), mostram interesse na minha cultura como eu mostro na deles, e cultivam um ambiente acolhedor. Isto estende-se às comunidades UK que existem no reddit, como o /CasualUK, o /CarTalkUK, o /LegalAdviceUK e até o menos acolhedor /UnitedKingdom.
Isto não significa que o racismo não exista, apenas que eu não o experimentei. A minha experiência é muito positiva, acredito que em parte porque:
Isto não significa que eu me acho um bad ass motherfucker intocável. Muito pelo contrário; tenho é tido muita sorte, cuidado a escolher onde vivo, onde vou, com quem me dou e, talvez mais importante, ao que presto atenção.

O imigrante, a burocracia e o racismo no sistema

Não significa também que o sistema não prejudique os novos imigrantes: como viram, encontrar casa é extremamente caro, o acesso ao crédito é muito mais difícil, etc. O nosso "histórico" é muito importante no UK: histórico de crédito para acesso a crédito, histórico de arrendamento para acesso ao arrendamento, histórico profissional para acesso a emprego.... Todas estas são questões em que o sistema inerentemente prejudica o novo imigrante: é impossível ter histórico cá quando estamos acabados de chegar. Assim, acresce às barreiras culturais e linguísticas uma barreira burocrática que acaba por actuar como uma discriminação em função da nacionalidade disfarçada de due diligence. Por outro lado, é difícil argumentar contra: os senhorios têm o direito a saber a quem estão a arrendar, os bancos a quem emprestam, as empresas quem contratam, etc.
Não sei até que ponto isto será diferente em Portugal (nunca fui imigrante em Portugal, né), mas não acredito que seja substancialmente diferente. O meu percurso académico em Portugal permitiu-me estudar e trabalhar com um largo número de pessoas que se mudaram para lá. De um modo geral, parece-me que o imigrante em Portugal beneficia de um certo "deixa andar" que nos é característico. Não têm tanta dificuldade em arrendar, e nos casos que conheço já vinham com o trabalho alinhavado. Os bancos Portugueses não parecem fazer muitas perguntas, mas limitam o crédito que concedem. Ainda assim, um novo imigrante em Portugal parece-me ter acesso mais fácil a crédito ao consumo do que nós temos aqui.
Por outro lado, um imigrante extra-comunitário em Portugal tem que lidar com o que é o flagelo da existência de qualquer emigrante em Portugal: o SEF. Eu tive muito pouca interacção directa com o SEF, tive muita interacção indirecta ajudando colegas a preparar documentos e reuniões com eles, por exemplo. O SEF é facilmente o sistema burocrático público em Portugal que conheço mais merdoso, mal gerido e prejudicial para o imigrante que conheço. Segundo entendo, o SEF está extremamente mal financiado e a sua gestão muda ao sabor do vento político. Isso resulta em coisas espectaculares como:
Enquanto imigrante no UK, só tenho coisas boas a dizer sobre o sistema britânico. Todas as interacções que tenho tido com eles são simples, pragmáticas, fáceis de entender e eficazes. Existem directivas unificadas para praticamente tudo o que precise de saber (o gov.uk é incrível). Eu vinha a contar viver um verdadeiro pesadelo burocrático por causa do brexit, mas tudo se tem tratado com muita tranquilidade; não quer dizer que não se estrague entretanto, mas para já a minha visão é extremamente positiva por comparação. Mais uma vez, esta visão é altamente pessoal: eu vim para cá com um contrato assinado, com uma letter of employment de uma empresa gigante, e com algum dinheiro para gastar.
O racismo é um hot topic e usado muito frequentemente para clickbait, por isso vou tentar que esta seja a minha última nota acerca do assunto. Se quiserem falamos informalmente nos comments.

Conclusão

Em suma parece-me mais fácil, em termos burocráticos, um tipo mudar-se para aqui do que para Portugal. O racismo por aqui é claramente um problema, mas tenho tido a sorte de não me calhar a mim; dado o local onde vivo, nem nunca conto que isso venha a ser um problema.
Decidi partir em vários posts pois notei que estavam a ficar muito longos. Por outro lado, vou tentar aumentar a cadência dos posts para 2x por semana (segundas e quintas). Digam de vossa justiça sobre o novo formato mais "compacto". Eu sei que alguns de vós preferem o formato mais longo, por isso vou tentar encontrar um equilíbrio algures entre o "impossível de ler no telemóvel" e o "curto demais para valer a pena", mantendo ao mesmo tempo um tema coeso em cada post. Esperem pelo próximo na quinta-feira!
Abraços!

Referências

submitted by UninformedImmigrant to portugal [link] [comments]


2020.10.26 03:25 bronzemihali Fobia social?

Pessoal, preciso de umas opiniões.
Resumo do resumo: já sofri horrores nessa vida, em todas as áreas e às vezes me vem uma leve vontade de consumar meu suicídio. Só desisto pq lembro de como gosto de algumas coisas e teria que deixar isso e também pq não tenho coragem.
Mas não é sobre isso que quero falar.
Minha autoestima é um lixo, autoconfiança péssima, atitude beirando o zero e por aí vai.
E agora tenho enfrentado um problema (que já vem de algum tempo) de ansiedade muito alta perto das pessoas. De algum tempo pra cá tenho a impressão que ando cagado ou que alguma coisa está errada em mim pq TODO LUGAR QUE EU CHEGO AS PESSOAS PARAM PRA ME OLHAR, se eu fosse celebridade acho que não seria assim. Eu tenho um cisto no rosto, o que me faz não querer nenhum tipo de contato social, pq tenho vergonha disso que tenho.
Pior do que isso é que percebo que as pessoas acham que vou assaltar ou alguma coisa (pq ando de moto). Sempre que chego, seja na conveniência ou no mercado ou onde quer que seja, as pessoas me olham de um jeito que parecem me reprovar e isso me dá muita raiva!
Pq eu penso: ora, pq esse demônio tem que olhar pra mim e me fazer sentir mal?!
Aí vou alimentando essa raiva o tempo todo que tenho contato com as pessoas.
Eu sinto isso e é muito estranho. A sensação de que as pessoas me acham assaltante ou bandido. Mas ninguém nunca falou nada, nem teve nenhuma reação nem nada. Porém eu tenho quase certeza que vejo nelas isso. E aí fico me sentindo bandidao.
É importante ressaltar que jamais fiz coisas que vcs não fariam: nunca roubei, nunca assaltei, nada de errado, sou impecável (o que não é pra se louvar né, nada além do correto e da verdade).
Fui na conveniência agora há pouco, é eu chegar e quem tá na fila fica me olhando, aí eu percebo e começo a "perceber" o olhar deles também, parece que todo mundo fica meio ansioso e enquanto isso eu vou ficando com raiva, pq eu só quero ir na conveniência e voltar pra casa.
Depois da conveniência fui dar uma volta com os cachorros e uma bendita mulher veio descendo. Só posso ser muito louco, mas percebi que ela agiu de maneira estranha, como se eu fosse roubá-la. Chegando ao cúmulo do ridículo, antes de ela passar por mim peguei meu celular e mexi na intenção de que ela pensasse "ah é só uma pessoa normal".
Sei lá, tô cansado disso aí. E já passou do tempo de me fazer não sair de casa. Hoje não saio mais, evito conversar com as pessoas e dói sempre que preciso ir a algum lugar que sei que vou encontrar pessoas.
É tão estranho! Nunca roubei uma bala que seja mas sinto que as pessoas pensam isso de mim, que sou bandido e que vou roubar elas.
Alguém que já passou por isso (ou não) me ajuda aí. Não tenho amigos, não converso com ninguém.
submitted by bronzemihali to desabafos [link] [comments]


2020.10.25 18:31 ibananana Onde encontrar roupas para transgénero (entre elas roupas interiores e de praia)?

Olá! Espero estar no sub certo. Decidi recorrer a este sub porque está muito complicado encontrar informação deste género para trans na net e aqui no reddit parece não haver nenhum grupo dedicado exclusivamente a trans em Portugal.
Há três dias que eu (F cis) descobri que tenho uma namorada (trans MtF). Estou muito feliz por ela ter conseguido assumir, sinto um enorme orgulho nela. Estou também muito empenhada em fazê-la sentir-se bem consigo mesma e feminina, e isso passa (também) por encontrar roupas para ela. Como (à partida) não pretende fazer a operação (também ainda não toma hormonas dado ser tudo muito recente), precisa de se sentir confortável, a nível de roupa interior (e para quando quiser ir à praia), sem esquecer a questão da feminilidade e da própria auto-estima. Mas, nas minhas pesquisas na net, não estou a conseguir encontrar absolutamente nada em Portugal, e é muito muito muito escassa a oferta que encontrei no estrangeiro.
O que eu gostava de saber aqui é se alguém sabe onde poderia arranjar este tipo de roupas para mulheres trans que possuem pénis.
Obrigada!
submitted by ibananana to lgbtportugal [link] [comments]


2020.10.24 01:25 mentalorgasmo EU APENAS QUERO FODER

Você acha que eu me importo que está com outro? Eu não quero saber de merda nenhuma! Desejo o melhor para você, no maior altruísmo. Pode ir para a merda que não ficarei nem 1% abalado. Vai lá receber oral mal feito, com pressa, afobação, vai! Não posso fazer nada por você. Atitude aqui é o que não falta, graças à minha praticidade. Foi muito tempo de surras e derrotas para eu aprender a não valorizar pessoas de alma vazia como você. O mundo gira, mulher sem atitude roda. Nem para me contar a verdade você prestou. É uma pena você ter mentido e eu não ter caído no seu plano. Poxa! Bem que seria legal para você, né, se eu desse esse mole para sua pequenez? [Risos]
Aproveita que a vida te dá o livre arbítrio e não se arrependa! Estou suave, me deleitando na minha vida voluptuosa, com o coração gelado. Estou na era do gelo, coração frio, sem tempo para preocupações banais como você. Me blindei! Agora sou mais feliz porque eu não quero saber de mulheres como você, que usa a mentira para armar contra o aprazível. Durante as transas vivia dizendo que eu era espetacular, te causava danos positivos interiormente, se molhava fácil, fazia delirar como ninguém, e da noite para o dia muda de opinião como se nunca tivesse dito nada.
O que me deixa “revoltado” é que é difícil encontrar uma boceta tão cheirosa, apetitosa e deliciosa como a sua. No mundo atual, quanto mais fácil é a higienização, o dobro as mulheres se desleixam. Já você, toda deliciosa, me jogou para escanteio porque fui assaz bonzinho. A vida cobra e eu pago o preço sem problema… Eu apenas quero foder.
Sua estupidez extrapassou limites. Vichi! Eu só queria te ajudar a se levantar, proporcionar as melhores sensações, desabafar eroticamente, baixinho nos seus belos ouvidos… Não deu, pois sua ignorância com esse podre ego inflado atrapalhou. Tentei me importar mas não compensa. Numa ice age como essa, permitir que minha estrutura seja abalada nessa altura do campeonato é suicídio. Portanto, a vida continua, e quem ganha com isso sou eu, porque eu só quero foder com as melhores mulheres. Somente! Porque eu não preciso do seu falso amor.
submitted by mentalorgasmo to u/mentalorgasmo [link] [comments]


2020.10.23 16:56 1berto86 Onironauta é uma pessoa que explora sonhos lúcidos, dominando-os e conduzindo seus eventos. Ele tem a capacidade de sonhar o mesmo sonho mesmo depois de acordar e dormir de novo.

Pessoal, após um pouco de prática consigo eventualmente escolher o que quero sonhar, e controlar o seu andamento ou pelo menos parte dele.
Para isso acontecer, preciso estar com a mente tranquila antes de dormir, e forço pensamentos do que desejo sonhar até efetivamente dormir. Também é preciso ter uma "senha" para você saber que está sonhando e não na realidade. Por exemplo, no meu caso eu belisco o braço, e se não sentir dor sei que é um sonho. Às vezes nem preciso disso.
Li essas dicas no site da Superinteressante ou Mundo Estranho há uns ano atrás.
Logo na primeira vez funcionou: sonhei que dava um abraço bem apertado no meu pai, falecido há alguns anos :-)
Também já testei sonhar com mulheres que desejaria estar (até com ex funciona hahaha). É surreal porque o sonho nos parece muito mais nítido do que qualquer lembrança. Até os borrões das "imagens" que o cérebro não consegue / sabe preencher durante o sonho ficam bem visíveis.
Mas como disse, infelizmente só tenho sucesso em ter sonhos lúcidos eventualmente, então compartilho aqui pra ver se consigo encontrar outros doidos que consigam fazer isso com mais frequência kkk
Alguém mais tem essa experiência?
submitted by 1berto86 to brasil [link] [comments]


2020.10.22 14:09 consultorseobiz Como jogar o Doodle de hoje

Como jogar o Doodle de hoje

Como jogar o Doodle de hoje?


Google doodle hoje

Você com certeza já se surpreendeu ao acessar a página do Google e perceber que a logo da empresa está diferente. Diariamente o Google muda a sua logo na página inicial com um Doodle, uma imagem interativa – que muitas vezes possui um joguinho “escondido” – em homenagem.
Por exemplo, no Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia Internacional da Mulher, feriados diversos, aniversário de personalidades, acontecimentos históricos e afins.
E quem nunca perdeu alguns minutos do dia jogando em Doodle até perceber que havia acessado inicialmente a página do Google para pesquisar algo – e não ficar jogando?
Com certeza você sabe do que eu estou falando! Esses joguinhos têm se tornado cada vez mais populares e, por isso mesmo, o Google tem investido em formas cada vez mais divertidas e diferentes de desenvolvê-los.
Para acessar o Doodle do dia – e jogá-lo – é necessário acessar a página inicial do Google. Mas também você pode acessar em https://biva.digital/jogos-conhecidos-do-google-doodle/
Nessa página você encontra todos os Doodles realizados pelo Google ao longo do tempo, em ordem cronológica do mais recente ao mais antigo.
Além disso, na mesma página é possível encontrar os Doodles com maiores destaques e mais diferentes que já foram realizados. Nessa página você encontra todos os interativos. Ou seja, aqueles que você pode brincar e jogar.
Você também consegue encontrar os Doodles de diferentes países, nas mais diferentes datas comemorativas.
Mas nem todos os doodles são de jogos. Alguns, embora sejam interativos, têm um caráter informativo. Possuem vídeos “escondidos”, que você apenas consegue acessar clicando em partes específicas da imagem.
Fonte: https://biva.digital/jogos-conhecidos-do-google-doodle/
submitted by consultorseobiz to u/consultorseobiz [link] [comments]


2020.10.22 00:17 Living-Computer-3945 O namoro está me deixando desmotivado e triste

Comecei a namorar uma garota há cerca de dois meses, as coisas vão bem com ela quando estamos juntos, mas algumas coisas estão me incomodando. Primeiramente um pouco que me afastei dos meus projetos pessoais "auxiliares", como hobbies, planejamentos futuros, isso não foi uma opção, eu simplesmente perdi a motivação, não sei se é por causa do namoro que meu deu doses de satisfação que eu buscava nessas atividades ou algum outro fator. Outra coisa ruim é que a maioria dos meus amigos que tenho pra tomar uma cerveja e ficar falando da vida são mulheres, seja amigas ou relacionamentos anteriores que após um tempo acabaram virando amizade e eu não me sinto a vontade para encontrar com essas pessoas estando num relacionamento, mesmo que eu não vá trair, parece sempre que estou fazendo algo errado, eu não sei se ela aceitaria e acho que eu ficaria meio de cara se o contrário acontecesse, então fica meio fora de cogitação. Eu não tenho amigos aqui, tenho dificulde de fazer amigo homem e não sou nativo daqui embora já more há algum tempo na cidade, também não tenho familia aqui. Então tenho levado uma vida um tanto solitária esses meses, dependendo só desse relacionamento, que pra mim não tem me dado a atenção que eu carentão to precisando e eu não posso cobrar muito pois é algo recente e eu não sou de ficar em cima pedindo atenção. Algo assim aconteceu também no relacionamento anterior, de alguma forma parece que me sinto em um deserto e tudo some de volta de mim quando estou num relacionamento, mesmo que os momentos a dois sejam maravilhosos e mesmo quando recebo a atenção que eu espero como nesse anterior que eu tinha 100% de atenção. Acho que é até perigoso pra mim casar pois talvez eu fique só em razão da pessoa. Então to meio na merda e só queria desabafar, as vezes dá vontade de chutar o balde e sair pra flertar com outras pessoas pois me sinto meio carente mesmo, sozinho e inseguro por receber doses controladas de atenção, Talvez seja essa a solução e desencanar de esperar de algo que provavelmente não vai levar a lugar nenhum.
submitted by Living-Computer-3945 to desabafos [link] [comments]


2020.10.21 14:23 MaryMa91 Estou muito infeliz, tem dias q tenho vontade de desistir da vida....

Eu odeio meu curso e minha universidade, esse vírus maldito só piorou as coisas, não aguento mais, os professores acham q são deuses e nos socam trabalhos o tempo todo com tempo curto pra fazer e muitos nos deixam desamparados. Eu já não gostava do curso, mas como estava indo pra metade dele, tava levando... mas agora está ficando insuportável a cada dia que passa. Eu queria muito ter coragem de ir atrás de um trabalho pra poder pagar uma faculdade particular e fazer o que eu gosto, mas fui criada com a mentalidade de q só posso trabalhar se for no curso q me formar ou no máximo fazer um estágio durante o curso. Sempre q eu entro nesse assunto com a minha mãe, ela desconversa, ela é narcisista e qndo falo q vou procurar um trabalho ela finge q está passando mal pra mudar de assunto. Eu sei q não posso ir atrás do q ela fala ou faz, mas eu vivo há 29 anos nessa relação doentia, sempre fui muito submissa, em relação a algumas coisas eu consegui me desprender, mas em outras não.
Eu estou presa nesse curso por causa da pensão q eu recebo, sem ela não posso pagar minhas contas e se eu sair ou trocar de curso perco tudo (não vou entrar em detalhes, mas é isso)... Eu sei q pareço uma idiota falando isso, mas eu vivo numa bolha q eu não consigo sair, quem vai dar emprego pra uma mulher de 29 anos sem experiência nenhuma? Já fiz outro curso, mas não terminei, não era o que eu queria, mas sempre ouvi desde pequena que deveria fazer o curso q estou agora, não importando se era o que eu queria ou não. Não foi fácil me encontrar... Uma vez resolvi fazer orientação profissional com uma psicóloga e me encantei com dois cursos: psicologia e fisioterapia.
Psicologia tem na faculdade pública, é noturno, até poderia trabalhar, mas não consigo pensar em encarar mais 5 anos de tortura (faculdade) pública, é de graça mas tu paga com a tua saúde mental, fisioterapia só tem na particular e é de manhã, o q impossibilitaria de trabalhar nesse turno... Enfim, é apenas um desabafo, nada dá certo na minha vida, tem dias q eu tenho vontade não só de desistir do curso, mas da vida... Só tenho apoio dos meus amigos, ou melhor, eles estão no mesmo curso q eu e estão desiludidos tb, querem transferir pra privada, já eu, nem transferir quero de tanto q eu odeio, queria era fazer algo novo...
submitted by MaryMa91 to desabafos [link] [comments]


2020.10.19 07:17 yooo66666 Autosabotagem, pornografia e brochar.

Nem sei por onde começar... primeiramente tenho 20 anos e é realmente um pouco constrangedor escrever isso mesmo sabendo que ninguém me conhece, mas ok bora lá. A mais ou menos 2 anos eu terminei o meu ultimo namoro e já naquela época eu consumia pornografia mas era beeem menos, tanto que ainda não atrapalhava nada em minhas relações sexuais, tudo sempre flui numa boa, nunca pensei que poderia ter problemas com isso. Daí, dps do termino comecei a consumir mais a pornografia mas ainda tava dboa, me sentia tranquilo em relação a isso, trocava ideia com varias mina me sentindo bem e despreocupado, só que aí pro final de 2018 eu fui encontrar uma amiga minha e rolou minha primeira brochada, fiquei porra, desesperado na hora, com vergonha e pá(era a primeira vez da mina) nussss fiquei bem abalado serião, falei com uns amigos meus e eles foram suave, nem tiraram sarro, disseram que era normal, mas aí que começou o problema(deveria ter levado numa boa né, todo "mundo" leva isso numa boa, pq eu n iria) enfim, a partir daí comecei minha graaande jornada de autosabotagem e porra velho, até hj n consegui superar isso (como cara???? kkkk taloko) eu realmente rio disso, pq parece ser piada as vezes, eu gosto de mulher, gosto demais cara, e desde de essa época eu comecei a questionar tudo, minha sexualidade, pô problemas mentais, uma avalanche de pensamentos mesmo. (Tá, são muitas coisas a se falar e ainda to com vergonha de escrever isso, mas vamo lá)
Inicio de 2019 e eu tranquilo até ainda, sem nenhuma confusão mental aparente e ainda trocando ideia dboa com umas mina, aí conheci uma menina e a gente foi se aproximando, se beijou e pá, começou a rolar um amorzinho mas a gente n tinha transado ainda e aí um dia ela me chamou pra eu ir na casa dela, era carnaval, fui né, bebemos umas, fumamos uns beck e ficamo daquele jeitão né, delícia, pegação que num parava mais e aí começamo a tirar a roupa, ela me chupou(suave até então, meu pau tava levantado kkkkk) e eu tava dboa tb, eu chupei ela dps e aí bateu aquela ansiedade trevooosa, pq né o proximo passo seria nois fuder e assim... aiai.. eu tinha camisinha lá(ps: no meu ultimo namoro agnt transava so´sem camisinha praticamente) e mano, tremi nas base, falei pra ela q tava sem camisinha e né, ela tb nem tava afim de ir sem, e continuei chupando ela numa boa, mas né, pensando daquele jeitão nas coisa, preocupadasssso, uma lokura gente, aí blz, dormi la e de manha ela veio me cobrar q eu podia ter ido na farmacia e só dei uma desculpa(rapaziada por incrivel que parece n sou gay e eu me questionei bastante sobre isso, pode acreditar). Depois disso começou o desastre, toda vez q pensava em sexo pensava em brochada, instantâneo tipo, aí assim, quero resumir um pouco ne, mas vou falar oq me der na telha aqui. Dps desse ocorrido n falei pra ngm, nem amigo, nem psicologo, nem nd, malucao o cara ne, fala nem pra psicologo aiai, tabom. Dps com essa mina, de précha, broxei mais uma vez só q ai dessa vez foi na hora da penetração mesmo, aquela meia bomba que todo mundo adora, lindeza que só( to falando desse jeito pq acho q assim vo sentir menos otário) aí acabei me afastando dela (vergonha absurda, eu sou uma piada msm), deixei claro pra ela q o problema era cmg, e que ela era né MARAVILHOSA (pq de fato era kkk) aí meus manos e manas, nesse momento eu ja tava 0 bem das ideia(ps: faz mais de 1 ano isso e to desabafando isso só agora pra alguém ok) , escondendo tudo de todo mundo, mas transparecendo que tava tuddo deboa ne, kkk aiai. Que eu me lembre dps dessa mina passou um bom tempo q eu nem tentei nada com ngm(no sentido de ir pra hora H) e tipo, eu continuei flertando, com altas mina e dando idéia mas só na raso (olha o medo que tava, medo de brochar, eu sla, nem imagino falar isso pro meu amigo mais proximo q eu morro de vergonha sla) continuei flertando e pá ne, considero estar em um ponto bem alto da minha kkkk beleza facial e de personalidade tb, ent acaba q altas guria se interessava, e eu bobo né, dava papo mesmo sabendo desse meu problema kk. Ok, final de 2019 chegou um dia lá que a mesma mina q eu tinha broxado lá na primeira vez, me chamou pra ir na casa dela (claramente pra gente fuder) e eu em duvida, falei q n podia, por causa desse medo mesmo e sla, acabei indo encontrar uma amiga minha e a gente beijou dps um tempassso q eu tava afim e assim, fez minha noite tlg, n transei, nem brochei kkkk foi ótimo. Ok, vou voltar aqui no assunto da pornografia e falar q, durante o ano inteiro de 2019 eu provavelmente me masturbei quase todos os dias, pra pornô msm (mas nessa época nem tava ligado em questão de estimulo visual ser tãaao importante pra uma possivel brochada) ok, n dava a minima pra quantidade de porno q eu consumia, só seguia a vida msm, achando que todo esse medo aí meu, era problema meu, sla algum problema mental q eu desenvolvi e q era isso, botei na minha cabeça q ia continuar a ver pornografia pq já q eu n ia transar, pelo ou menos o porno ia me satisfazer( QUE ERRO, REPITO QUE ERRO jovem eu de um ano atrás). Aí pra frente é confusão mental atrás de outra, ia pro psicologo nem sabia oq falar, ficava todo perdido, todo vez q eu podia pensar nisso eu pensava e ia fuuundo e paranoia e fantasia de coisa nem ia acontecer, mano, to querendo é chorar escrevendo isso, nunca tinha botado pra fora isso, enfim... final de 2019 li em algum lugar sobre um negocio q chama reboot, que até tem video no TEDx sobre isso e video do Terry Crews falando, que é basicamente vc ficar sem se masturbar por um tempo indeterminado, que aí uma hora tudo ia voltar ao normal, na hora q eu li eu falei "É ISSO, É ISSO, PRONTO VO RESOLVER MINHA VIDA AGR MESMO" mandei msg pro meu psicologo falando q nois tinha q conversar, tava todo animado, cheguei lá, falei pra ele tudo, tudo q tinha rolado, tava rolando e falei disso aí, mas ele n me recomendou eu fazer esse reboot, falou q a masturbaçao é algo importante pro individuo, e sla, me convenceu q era melhor eu só esquecer disso e levar a vida (hj eu lembro disso e assim, meio cuzao ele ne) na hora nem parei pra pensar no negocio, tava lokin das ideia já.
Vo tentar resumir agr, dps desse aí, continuei me masturbando pra porno ainda, as vezes eu tentava parar um tempo por causa de coisa de twitter e pá, mas acabava voltando uma semana dps. Nessa época eu comecei a criar um autoestima fodida em cima disso, foi surgindo assim tb, fui levando a vida como se tudo oq tivesse rolado tivesse sido só uma fase da minha vida e que tinha passado e que eu já tava deboassa em relação a questão de brochar, que na proxima vez q rolasse ia dar certo, tipo, tava bem deboa. Aí né tava confiante, e um belo dia chamei uma mina q tava cvs pra vir aqui em casa, agnt ja tinha ficado uma vez e tava né, com tesão afinzassso, começamo a tirar a roupa foi indo, chupei ela, suavao, aí ela foi me chupar e ele abaixou do nada, sim, no meio do boquete foi pra vala minha líbido, tentei ressuscitar mas n tava indo, bati uma ali mesmo e n foi, minha cabeça já tava a mil, ja´era ne kkk falei pra mim msm, dps agnt fumou um pra ficar dboa e cvs com ela e pá, ficamos suave. Teve mais uma situação com essa mina (acho q eu forço muito né, mas eu tava só querendo botar minha autoconfiança pra cima de certa forma) agnt saiu comeu um burg já naquele estado né, e dps fomos pra casa dela, casa n, escada do prédio e rolou ali msm, oral dos dois, n brochei durante foi suave, mas na hora de penetrar nela o menino abaixou, mas fiquei deboa, respirei e fui estimulando, uma hora deu certo, botei pra dentro e foi(meia bomba kkkkk), foi pouco tempo mas foi, aiai, que saudade dessa sensação meus amigos kkkk enfim, isso era inicio de 2020, daí começou a quarentena e desde entao eu nem saía de casa né, pra pegar alguém (pra nd msm), mas continuei flertando dms ne, cabo que, uma mina lá falou pra eu ir na casa dela pra né e ja botei na cabeça que n, que n ia rolar, que ia dar merda, já pensando na brochada (ô laia) e confundindo minha cabeça, falando q sexo casual é merda (nunca nem fiz sexo casual) só inventando mentira pra disfarçar esse problema meu, enfim, dei perdido na mina. Aí (ta acabando tá? se algm tiver lendo) anteontem uma mina veio aqui em casa, ja tinha combinado a uma semana atras, mas assim kkkkjjjj, imaginando q agnt nem ia transar nem nd, no maximo um boquete e tals, por isso nem fiquei preocupado com broxar e pá, só aquele calafrio basico de trocar ideia com uma mina q tu realmente acha daora, pela primeira vez, pessoalmente (coisa linda) me preparei total, comprei um corre pra gente pitar, comprei umas breja, umas comida, meditei um pouco pra ficar suave e foi né. Ela colou, agnt trocou altas ideia daora (sla eu tava um pouco de receio de ela achar eu meio maníaco de já querer transar direto assim) aí preparei o ambiente como eu disse, fui fazendo um clima rolar alí...rolou... pegação intensa, tava adorando, bão dms, aiai, que mulher minha gente, começou a passação de mão, eu meio passivo ainda, mas tava daora, aí ela tirou meu short e ja comecei a ficar em choke(pelo lado bom) nem tava pensando em nd, aí ela parou assim e perguntou se algm podia ver nois ali (agnt tava no terraço de casa) aí falei q n, mas q sepa era melhor nois ir pro sofa q aí ne, já ficava mais confortavel( eu sou mt burro) kkkkkkkkkkk ta, ai´fomos pra la, nisso eu ja tinha guardado o pau e tava mole já, e mano, voltamo a se pegar(po eu tava desaprendido 7meses em casa) pegação lá intensa, bão dms, ai´vacilei comecei a pensar na famosa broxada, passou um tempo ela tirou minha calça e começou o oral, e adivinha n fiquei duro, e eu acho ela gostosa, acho dms, n creio q esse seja o problema, n creio q o problema seja eu n ter atração por mulher, eu tenho sim, só acho q a pornografia me leva a ter uma rotina, um vício FUDIDO que faz eu me apagar a minha própria mão, a esse ambiente nojento da punheta e de tudo q ela envolve com a pornografia, mano, eu to muito puto comigo msm, pq JÁ SE PASSOU MAIS DE ANO Q TO NESSA MERDA DE SITUAÇÃO PODRE, MANO EU QUERO TER FILHOS UM DIA, EU QUERO TER ESSE PRAZER DE TRANSAR, EU QUERO TER ESSE PRAZER DE VIVER UMA VIDA TRANQUILA SEM TER Q ME PREOCUPAR COM PROBLEMAS DE BROXAR, EU SINTO UM DESCONFORTO TÃO GRANDE COM MEUS AMIGOS, QUE REALMENTE SÃO MEUS AMIGOS E DISCUTEM ABERTAMENTE SOBRE ISSO, MAS NGM NUNCA FALOU SOBRE BROXAR, ME SINTO UM INUTIL NESSE SENTIDO ESCREVENDO ESSE TEXTO. CARAS, EU N QUERO VIVER A VIDA TODA ASSIM KKK NEM FOODENDO, NEM FODENDO. Só quero resolver isso e parar de pensar tanto em coisa que é inútil, amanha ja devo cvs com meu psicologo a respeito pq n da mais, eu fico triste, sinto um vazio imenso em mim dps q isso acontece, se alguem leu até aqui, obrigado pelo o seu tempo, diga aí oq vc acha sobre, ou n tb, se que sabe, enfim, abraços e uma boa noite pra todos. :j
submitted by yooo66666 to desabafos [link] [comments]


2020.10.19 00:18 carrara21 Rompimento aos 31

Eu gostaria de desabafar isso. Minha namorada terminou comigo na quinta-feira e desde então estou completamente perdido e desmotivado. Namorávamos desde 2017 e sempre fomos super amigos e companheiros, na verdade achei que ela seria pra sempre. Por ter tanta confiança que ela era louca por mim, ao passar dos anos eu fui relaxando e aos poucos virando alguém que acabou por algumas vezes agindo como criança e sendo insensível. No começo da pandemia estávamos brigados e iamos nos ver para resolver tudo, mas como respeitamos quarentena o assunto foi se alongando. Nesse mes após furar algumas promessas de ir vê-la, chamei ela para conversar e ela disse que eu nao a amava mais, que seria melhor estar sem ela, que queria muito estar cmg mas nao acreditava mais. Por fim ela terminou, disse que sempre me teria no coração e que "acredita que algum momento nos iremos nos encontrar". Eu fiquei completamente arrasado, pois tinha muita confiança que daria certo. Estou a dias sem comer e dormir direito e de maneira alguma vou correr atras, sendo que eu que levei a bota. Esta uma dor fodida, nao sei oq fazer. Tenho 31 anos e me acho muito velho para recomeçar do zero. Me sinto sem esperança e apesar de conssguir viver o dia dia, eu sinto uma tristeza enorme. Nunca achei que fosse passar por isso, sempre fui um cara rodeado por mulheres, tenho várias me chamando pra sair e nao tenho vontade alguma, eu só penso na minha ex e na nossa história. Eu gostaria de agradecer quem leu ate aqui, me sinto mais aliviado por desabafar isso, mesmo que com estranhos. Valorizem suas mulheres, nao caiam nessa de "elas gostam de ser tratadas de maneira fria" demorei mto pra aprender e agora foi tarde.
submitted by carrara21 to desabafos [link] [comments]


2020.10.18 17:21 Novatonavila Vocês aqui que ja contrataram ou tem costume de contratar garotas de programa, o que levou vocês a recorrerem a esse tipo de serviço e como vocês se sentem sobre isso?

Eu nunca contratei nenhuma garota. Eu não sou um cara feio de verdade mas não sou muito extrovertido então dificulta encontrar mulheres. Mas, mesmo assim, eu me sentiria mal de pagar por sexo. Acho que me sentiria muito derrotado por ter que pagar por algo que as pessoas normalmente tem de graça. O sexo pode até ser bom e a garota pode ser muito atraente mas ainda assim me sentiria mal. E vocês?
Ps. Não quero desmerecer ninguém aqui. Só descrevi como EU me sentiria nessa situação.
submitted by Novatonavila to brasil [link] [comments]


2020.10.17 02:44 Diamonice Nunca mais baixo esse app

Acabei de assistir um vídeo, tá em inglês vídeo nos meus recomendados do YT que me deixou enojada da política de "proteção" do Tinder.
Basicamente mulheres que são vítimas de predadores sexuais em encontros por meio do app não podem fazer nada depois do estupro/assédio pra tirar o perpetrador do aplicativo e se conseguem depois de muita insistência o cara pode simplesmente fazer um profile com um nome diferente e pronto. Eles aproveitam da ferramenta do desmatch pra apagar todo o rastro do perfil deles depois do encontro com as vítimas e as conversas tbem é tudo apagado, e a vítima não consegue mais encontrar a pessoa.
Alguém pode querer culpar as vítimas e pode dizer: "ah mas as mulheres se puseram em risco indo pra casa dos caras no primeiro encontro o que elas queriam? brincar de casinha? "
O ponto não é esse, todo mundo sabe que a realidade social de países de "primeiro mundo" é diferente da nossa que é violenta e cheia de riscos, claro que lá não é um lugar ideal tbem (paradoxalmente é onde mais vejo casos de serial killers) mas é clara a diferença de índices de violência em geral, as pessoas são mais "desligadas" em comparação a nós que vivemos em estado de alerta constante até dentro de casa.
E mesmo assim, a pouco tempo atrás uma adolescente dessa comunidade quase foi violentada dentro do AP de um cara que ela conheceu no Tinder e ingenuamente foi encontrá-lo lá pra jogar junto e se conhecer, a sorte é que o colega de Apt do indivíduo a socorreu quando o cara tentou atacar ela.
Não lembro se alguém pediu pra ela denunciar o cara, creio que nem eu pedi já que aqui tudo acaba em feijoada mesmo, e polícia faria pouco caso já que "não aconteceu nada" mas enfim numa sociedade ideal o app também deveria ser notificado e excluir permanentemente o perfil do ser pois deixa vunerável a outras mulheres.
E eu imaginava que pelo menos isso acontecia mas NÃO.
Agora mesmo é que não baixo esse app, cadê a ética? Proteção de usuários? Sei que tudo nessa vida tem riscos, mas é responsabilidade da empresa assegurar a segurança das pessoas que usam seu app.
Sei que muita gente procura esses apps pra one night stand mas mesmo assim tbem, isso não inválida que o cara pode ser violento ou a mina pode ter arrumado uma roubada pra ti.
As vítimas não tem culpa reafirmo aqui. Se for falar algo nessas linhas nem se dê ao trabalho, vai ser removido pela política da comunidade, pelo menos aqui funciona.
submitted by Diamonice to desabafos [link] [comments]


2020.10.14 12:19 DonaBruxa_Deyse Sobrenatural-Verídico

Preciso dividir isso com vocês! Relato de uma consulente que me procurou desesperada por ajuda espiritual. E irmãos de fé, me ajudem porque nunca lidei com isso não!
Eu ouvi todo o relato. Quanto mais ela contava, mais certeza eu tinha de que se tratava de SETEALEM!
Ela relatou que em maio, devido a pandemia e quarentena, sua família resolveu que seria melhor todos ficarem juntos no sítio dos pais dela, em Sorocaba. Disse que desde o momento que fazia a mala deles, uma sensação de que algo daria errado, pesava. Foi na gaveta do seu filho, que encontrou uma camiseta e um shorts que nunca, jamais vira antes. As roupas estavam sujas, eram velhas, encardidas e cheiravam mal. Nunca teve diarista em casa. Como poderiam aquelas roupas estarem ali? Perguntou pro pessoal e ninguém prestou atenção. Ninguém nunca presta. Naquele dia não estava a fim de começar a gritar tão cedo. Mas estavam todos estressados com os preparativos e ela sozinha pra fazer tudo, deixou pra lá! Enfiou as roupas numa sacola de mercado e deixou no chão, do lado da máquina de lavar na área de serviço. Ela, marido, a filha de 18 anos e seu filho de 5, saíram de São Paulo e seguiram pro interior. Durante a viagem, pra chegar no sítio, passam por uma estrada de terra. Seu filho de 5 anos disse algo que naquele momento não fez sentido algum: - Nem acredito, mãe, que estamos perto da casa do meu melhor amigo que ainda vou conhecer! Eles não deram atenção alguma pro menino. Minutos depois, ouviram um barulho como se tivessem passado por cima de algo na estrada e um dos pneus explodiu. O marido dela controlou o volante e estacionaram. Ele desceu e confirmou que o pneu tinha estourado. Ela pegou o celular pra avisar seus pais sobre o acontecido e que por isso atrasariam. Notou que não tinha sinal de rede em nenhum dos celulares. Não tinha no dela, não tinha no do marido, nem no da filha! Marido trocava o pneu e xingava porque ele nem queria ficar com a família dela! Nisso ela se virou pra trás porque percebeu que o menino estava acenando pro nada todo feliz! Sua filha começou a implicar com o irmão e disse: - Olha mãe, moleque doido! Começou já com as graças. Nisso o menino responde: - É o meu amigo! O amigo que vou conhecer. Olha mãe! Olhaaaa lá! Ela estava cansada, com fome, vontade de fazer xixi, sede e aquilo deixou ela mais puta ainda e nem se deu ao trabalho de responder os filhos. Pneu trocado, seguiram viagem na força do ódio. Uns quilômetros a frente, passaram por um posto de conveniência. Nunca vira esse posto antes. Não era a primeira vez que fazia aquele caminho. O sítio era da família desde que os avós dela casaram. Sua mãe nasceu ali. Ela foi criada ali e fez aquele caminho milhares de vezes desde bebê! Era um posto velho. Tão depredado que parecia estar desativado. Desativado se não fossem uns carros antigos também caindo aos pedaços estacionados em frente. Quem coleciona carro caindo aos pedaços?!?!? Comentou com o marido: - Meu amor, e esse posto que nunca vi na vida! Você viu?! O marido já exausto, responde: - Não prestei atenção! Mas se não viu antes é porque você é cega. Nem olha com essa cara porque você responde pra mim desse jeitinho sempre! Ela respirou fundo pra não começar uma briga ali... faltava tão pouco...perguntaria pro pai dela quando chegasse lá! E foi a primeira coisa que perguntou pro pai depois de abraçá-lo. O pai dela achou engraçado e respondeu que depois di galpão da firma tinha mais nada até chegar no sítio não. Tinha sim! Tinha porque ela viu! Mas também resolveu deixar pra lá esse assunto. A primeira semana foi uma maravilha! No final de semana seguinte, a irmã dela chegou com a família. A avó cozinha umas delícias. Os homens faziam churrasco e tomavam cerveja à vontade. O marido que não queria vir era o que mais aproveitada! A criançada brincava, pulava na piscina, corria livre, dormia e acordava tarde. Mas ela notava o filho dela meio aéreo, mais calado e não estava interagindo com os primos. Algumas vezes teve a impressão de ouvi-lo conversando/ cochichando com alguém mas quando se aproximava, ele se calava. Num sábado, resolveram fazer lasanha, mas faltava queijo, presunto, carne moída pro molho e extrato de tomate. Alguém teria que ir no mercado e pela primeira vez na vida, a filha dela se dispôs a buscar. A menina era habilitada há meses, dirigia por São Paulo, ia e voltava pra faculdade sozinha com o carro da minha cliente. E que perigo teria naquela estrada de terra, pouco ou nenhum movimento e ela iria até o supermercado mais próximo. O filho dela e os sobrinhos quiseram ir também e providenciaram suas máscaras e correram pro carro. Entregou uma nota de 100 reais pra sua filha fazer as compras. Ela me contou chorando que sua consciência pesa por ter pensado e falado pra irmã: - Graças a Deus, pelo menos por uma hora, teremos paz sem essas crianças gritando e correndo! A gente merece um pouco de silêncio sem filho gritando por mãe. A irmã dela riu e concordou.
Segundo ela, olhou no relógio na parede da cozinha, e faltava uns minutos pro meio dia.
O desespero estava pra começar!
Tinha passado uma hora desde a ida e nada dos sobrinhos e dos filhos voltarem. Resolveu ligar pro celular da filha e caia direto na caixa postal! Ligou dezenas de outras vezes e nada. Gritou o marido que estava na churrasqueira. Ele, o cunhado e o pai dela estavam bebendo desde às 8 da manhã. Quando ela relatou sua preocupação, eles não levaram a sério. Segundo os homens, as crianças logo estariam de volta...e foram beber mais. O coração dela apertou e lembrou do posto que vira na estrada, do filho acenando pro nada... não fazia sentindo, mas só pensava nisso. Tentou ligar mais vezes e como nada de atenderem, ela e a irmã pegaram outro carro e foram atrás dos filhos. De longe viram o carro que a filha dirigia encostado na estrada. Ela sentiu alívio por alguns segundos porque quando se aproximaram, o carro estava vazio. A irmã dela até aquele minuto parecia estar muito preocupada não. Porém, desceu do carro chorando. O carro estava parado sentido cidade ou seja, eles nem chegaram ao supermercado. Não tinha sinal deles! Sumiram! O celular não tinha rede, sem serviço e não tinha como pedir socorro ou ligar pra família. As pernas dela tremeram e caiu ajoelhada na terra rezando, pedindo a Deus por ajuda. Nessa hora, ela só lembrava que tinha sido ali que vira o posto de conveniência. Meio ao choro e grito contou pra irmã que vira o tal posto no caminho pro sítio. A irmã dela sem entender já gritou que nunca teve posto ali merda nenhuma. Minha cliente resolveu que iria encontrar o posto porque tinha merda de posto sim! O carro era da irmã dela que respondeu no gritou que não sairia de perto do carro, caso os filhos voltassem. Alguém tinha que avisar a família que estacavam em casa sem saber de nada! Entre gritos e mais choro, resolveram que a irmã voltaria pra avisar os outros e do sítio, ligaria pra polícia. Minha cliente esperaria no carro. Lógico que não conseguiu esperar e decidiu que procuraria por eles. Saiu com o carro que a filha dirigia. Dirigiu até o galpão da firma que tinha na estrada! Nada do posto. Fez o retorno, foi até o lugar que encontraram o carro abandonado e nada. Ela me contou soluçando que não era possível aquilo estar acontecendo. Desespero tinha atingido nível máximo! A irmã não voltava e a hora estava passando... e se ficasse noite?!?!? O que teria acontecido? Assalto? Sequestro? Nesse desespero fez o trecho até a firma, ida e volta, umas 5 vezes até cruzar com o carro da irmã. Vieram o marido, seu pai, cunhado e irmã. A avó ficou em casa, caso a polícia ou as crianças ligassem. Os homens bebados, ela e irmã histéricas! Ninguém se entendia. Depois de muita discussão quando tinham chegado à conclusão que o melhor era ir até a delegacia fazer um boletim, chega uma viatura com dois policiais. Ela tomou a frente e contou o ocorrido. Falou sobre ter visto por ali um posto de conveniência. Nessa hora os dois policiais se entreolharam. O marido dela emendou que ela era doida e que outra vez estava falando desse maldito posto. Um dos policiais, muito calmo contou que apesar de não existir nenhum posto naquele trecho, não era a primeira pessoa a relatar ter visto um. Sem contar muitos detalhes, falou que também não era a primeira, nem segunda vez que pessoas se perdiam e desapareciam naquela estrada! Os polícias pediram para que todos seguissem até a delegacia. Minha cliente e o marido, foram no carro encontrado na estrada e os outros, no carro da irmã. Na delegacia, um boletim de ocorrência foi feito. Mas todos os policiais ao ouvirem o relato, se entreolhavam de modo muito estranho. Só minha cliente notou. A polícia deveria esperar 24 horas após o desaparecimento pra iniciar as buscas! Um daqueles dois policiais que atenderam a ocorrência na estrada, disse baixinho pra minha cliente ficar calma que as crianças apareceriam. Porque todos tinham voltado de lá! Ainda na delegacia, ligavam de minuto a minuto pro sítio com esperança de receber boas notícias. Saíram da delegacia, por volta das 23 horas, ligaram mais uma vez pro sítio no caminho de volta. Nada! Ela e o marido não trocaram uma palavra...ambos choravam! Porém, ao estacionar o carro, ouviram as vozes das crianças e da avó. Ela sentiu um alívio e entrou na casa, agradecendo a Deus. Quando correu pra abraçar os filhos, paralisou. Impossível! Era impossível seu filho estar vestindo o shorts e a camiseta que ela tinha tirado da gaveta e deixado dentro de uma sacola deixada no chão da lavanderia, na sua casa em São Paulo! NÃO ERA POSSÍVEL!
Relato das crianças e da filha:
A filha contou que enquanto dirigia pro supermercado, viu o posto de conveniência, seu irmão, o filho da minha cliente de 5 anos, ao ver o tal lugar pediu pra parar ali! Ele pediu tanto, apelou usando “ por favorzinho” que convenceu a irmã a parar pra comprar tudo ali mesmo. O estacionamento da tal conveniência estava lotado de carros antigos. Seria melhor deixar o carro na estrada. Pensou que fosse um desses encontros de colecionadores de carros antigos. Nunca tinha visto nenhum daqueles modelos antes! A menina ainda relatou ter pensado em como alguém compraria ou colecionaria “uns trem” tão mal cuidado, caindo aos pedaços?!?!?!?!? Mas que só poderia ser coisa de”véi” mesmo. Entraram todos no estabelecimento e “bizarro” foi o termo usado ( pela filha dela) pra descrever o local e as pessoas! -Era um povo feio, tudo com pele amarela de doente, dentes podres, os homens e as sobrancelhas grossas e unidas... inclusive a de todas as mulheres! Até as crianças eram horrorosas... Crianças tinha fisionomia de velhas e sofridas! O lugar fedia! Fedia podre! Uma barulheira, todo mundo berrando, tocava uma música que ela não conseguia explicar. Era um ruído que estava grudado na cabeça dela. A música era um xiado fino, alto que dava a impressão de estar tocando dentro do corpo dela. A música machucava o seu pensamento. Era uma penumbra... uma luz que não iluminava e era difícil enxergar as coisas... ela tinha que forçar os olhos, piscar algumas vezes até distinguir os objetos ao redor. Objetos que nunca vira! Não dava pra imaginar a utilidade deles! Eram muitos corredores e prateleiras cheias de comida e coisas sem sentido! Enquanto se concentrava pra lembrar tudo que precisava comprar pra lasanha, a música dentro dela apagava as palavras. Ela fechou os olhos e forçou a memória... Talvez a força do seu pensar fez a música parar. Fez as pessoas pararam de gritar! Sentiu as maozinhas dos seus primos agarrarem sua mão e sua roupa. Ela sabia que estava chorando. Disse: - Mãeeeeee, fiquei com medo de abrir os olhos porque eu senti o peso daquele povo bizarro encarando a gente. Só abri porque ouvi um deles( referindo a um dos primos) dizer meu nome! Quando abri os olhos, meu irmão tinha desaparecido. Ele tinha sumidoooooo!!! Mãeeeeee, ele sumiu e não foi culpa minha... foi um segundo! As luzes começaram a piscar. Era uma luz sem cor, parecia que estávamos dentro de uma das fotografias daqueles binóculos da vovó! E as pessoas apontavam o dedo na nossa direção, gritando...eles gritavam sem mexer a boca: INTRUSOS, SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! VOCÊS NÃO PODEM FICAR AQUI, SAIAM DAQUI! Eu olhei pra uma senhora que estava bem próxima de nós e pedi ajuda. Contei que precisava comprar o que a mae nos pedira ... perguntei se ela tinha visto pra onde fora meu irmão. Mostrei o dinheiro! Ela riu!Quando ela abriu a boca sem nenhum dente, senti um bafo tão podre que o vômito quase saiu! Os primos estavam chorando, tremendo agarrados em mim! Comecei a chamar ele ( irmão/filho 5 anos)... e os bizarros, outra vez começaram : INTRUSOS, SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! VOCÊS NÃO PODEM FICAR AQUI, SAIAM DAQUI!
Eu não conseguia me mexer. Não dava pra andar!
E a música entrou em mim outra vez, mais alta e barulhenta! Minha cabeça doía e achei que desmaiaria. Nunca desmaiei... nas sabia que estava pra cair dura no chão! De repente, mas um de repente que pareceu horas, meu irmão aparece de mãos dadas com um bizarro tamanho criança. Ele veio dizendo que era o amigo que ele disse que conheceria aquele dia no carro no futuro. O bizarro chegou perto da gente dizendo que também me conhecia! Que já tinha falado que ( o filho de 5 anos) deveria fazer comigo o que (ele, bizarro!) tinha feito com a irmã dele! Eu puxei ele( apontou pro irmão) pra perto da gente! Mãe, ele não queria vir com a gente! Disse que ficaria com o amigo lá. Aí eu fiquei louca, fui arrastando todo mundo pra fora! O bizarro amigo dele, disse pra eu não falar alto porque “O ALGUEM”poderia acordar e pegar a gente pra ele! Eu mirei o rumo da porta, comecei a correr, as crianças também e o bizarro atrás da gente. Tinha escurecido. Era noite! Tinha neblina, um frio que esfriou meus ossos. Daí a gente correu muito! A gente corria e não chegava nunca até a estrada! Mas quando conseguimos, eu olhei, eu pisquei pra ver melhor e o carro tinha sumido. Sumidooooooo! O carro não estava mais lá! Sentamos no meio fio, meu irmão chorando porque queria voltar pra ficar com o amigo, os primos pedindo pela tia! Eles tremiam e batiam os dentes de frio! Entrei em pânico,porque como eu explicaria que perdi o carro, não comprei as coisas! Foi aí, que vi você mamãe, passar na nossa frente dirigindo nosso carro. Gritamos, corremos atrás de você, acenamos e você não olhou! Você não ouviu a gente gritar! Maeeeeee, você foi e voltou, foi e voltou, foi e voltou! Depois passou a tia em outro carro com o pai,o vovô e o tio! Mãe e tia, vocês nos ignoraram na beira da estrada. E aquela peste do moleque bizarro, de longe morrendo de rir da gente e gritando BEM FEITOOOOO! Como se não bastasse tudo isso, começou a ventar forte e a tempestade começou a cair. Ficou mais frio e a gente não conseguia respirar de tanta água que caia. A solução foi vir a pé, estrada escura, com chuva...Andamos até aqui!
OS SOBRINHOS:
-A gente ficou com muito medo! - Eu fiquei com tanto, tanto medo que fiz xixi na calça. -Eram monstros! - Eles queriam comer a gente! -Você não viu?!?!? Eles iriam picar a gente pra vender como carne moída! -Sera?!? E choraram muito. Ainda não conseguem dormir sozinhos em seus quartos. A luz tem que ficar acesa! Quando dormem, têm pesadelos e acordam aos berros!
O FILHO DE 5 ANOS:
-Mãe, foi legal. Sabia que meu amigo morava ali? Eu disse! Ele me visitava as vezes nos sonhos. Mesmo quando eu sonhava acordado e de dia! Hoje, a gente brincou de esconde-esconde e pega-pega!Fui na casa dele e comi comida lá! Sujei minha roupa de sangue e a mãe dele me emprestou essa. Essa roupa é do meu amiguinho! Ela falou que vai lavar a minha e depois trazer aqui pra você! Me convidaram pra ir lá outras vezes, passar as férias. Falei que pediria pra mamãe e pro meu papai! Foi super legal e meu amigo disse que já tinha me visto lá no futuro muitas vezes e que morarei com eles pra sempre! Pra sempre é muito tempo? Posso, mamãe? Deixa, por favorzinho?Por favorzinho? Eu convidei ele pra vir aqui amanhã brincar comigo, tá? Se você falar com a mãe dele, ela poderia deixar ele dormir aqui, né?!?!? Deixa, por favorzinho... diz que sim, mamãe!
Voltaram TODOS PRAS SUAS CASAS EM SÃO PAULO no dia seguinte, assim que o dia clareou. Os pais dela colocaram o sítio à venda e moram com ela, por enquanto. Minha cliente acredita que existe um lugar além. Ela tem certeza absoluta e provas disso! Está apavorada. Seu filho fala, brinca, canta, dá gargalhadas e afirma que o amigo está ao lado dele! Assim que entrou na sua casa em SP, correu até a lavanderia. Ela encontrou as roupas que seu filho usava no dia do sumiço. Estavam dentro da sacola, ao lado da máquina de lavar!
submitted by DonaBruxa_Deyse to u/DonaBruxa_Deyse [link] [comments]


2020.10.12 03:11 zsagattigerz Minha esposa pediu um tempo.

Estou passando por uma situação muito difícil, a minha esposa me deixou a 5 dias atrás pedindo um tempo em nosso casamento, tirou todas as coisas dela do apto e foi pra casa da minha sogra, minha esposa continuo conversando comigo pelo WhatsApp falou que era um tempo até eu me tratar do meu problema com álcool e cigarro e até indicou um psiquiatra ai entã eu mostrei fraqueza fique pedindo pra ela volta e etc... Então ela falou muitas coisas ruins dizendo que não volta mais e que tudo acabou e pra mim seguir a minha vida porque eu só atrapalhei a vida dela. Então falei adeus pra ela e Continuei postando coisas no whatsapp e ela vê todos, comecei a conversar com a minha sogra que me disse pra eu deixar ela que ela volta e fala coisas ruins pra mim pq está brava. Eu amo muito a minha esposa e não queria perder ela. Eu sei que errei pq estava fumando cigarro escondido dela e tenho problema com álcool. Estou desesperado fui na paróquia aqui perto de casa e rezei pra deus me ajuda e eu não tenho nem um amigo pra conversa, estou sozinho no meu apto. Eu ainda sinto no fundo que meu casamento ainda não acabou é uma sensação que não consigo explicar. Mas, parece que ainda vamos volta. O que eu na entendo nas mulheres é o porque ela está fazendo isso comigo dizendo que tudo acabou pra eu esquecer ela e seguir a vida. Mas continua vendo meus status no whatsapp não me bloqueou e pediu pra eu me tratar do meu problema com álcool. poxa eu fico na dúvida se acabou mesmo ou ela só está brava e vamos volta. Estou chorando muito e com o psicológico abalado as mulheres são muito complicadas tem momentos que dá esperança e em outros não.. alguém já passou por uma situação assim ?
12/10/2020 Deixei de fumar e estou tomando remédios para ansiedade, fui até a paróquia do bairro e rezei por mim e minha esposa.
13/10/2020 Ontem minha esposa havia me bloqueado no WhatsApp e hoje pela manhã me desbloqueou. Minha pediu pra eu mandar mensagem para a minha esposa mas eu estou com medo da reação dela.
14/10/2020 Após dias discutindo no whatsapp ela me bloqueou varias vezes e desbloqueou hoje trocamos Bom dia ! E ótimo trabalho, não vou fala mais nada quando chegar de noite eu vou mandar um Boa Noite!
16/10/2020 2 dias sem conversar com a minha esposa, estou conversando muito com a minha sogra e ela me falou que a minha esposa está reclamando muito, que eu destruí a vida dela que ela não sabe oque fazer daqui pra frente.. ela é de São Miguel zona leste , e quando a gente se casou ela veio comigo para o Butantã. Hoje estou sentindo 0 de chances dela volta pra mim e ainda estou me sentindo mal por isso, continuo sem beber ou fumar..
17/10/2020 Fui na paróquia e pedi a deus que me absolva meus erros com a minha esposa e ilumine a minha cabeça para o melhor caminho. Fiz uma reflexão sobre a minha esposa e ela não foi uma boa pessoa comigo, já houve agressões físicas e verbais pela parte dela, todo meu salário era controlado por ela, sexo era umas 2 ou 1 vezes ao mês, ela tinha muitas alterações de humor e já chegou a me expulsa do apto por algumas vezes por motivos muito infantis. Havia muita hostilidade por parte dela contra mim, mas tbm tinha momentos em que ela esta bem. Eu sentia pena dela pq eu acreditava que ela estava com algum problema mental e eu não sabia como ajudar. Na última briga ela me colocou pra fora do apto de madrugada e não deixava entrar tive que pegar um uber e ir para casa da minha mãe e acabei comprando umas brejas e bebi muito lá pois eu estava triste., Então no outro dia voltei e pedi para abrir a porta pois eu precisava pegar algumas roupas assim que ela a abriu eu entrei e disse que não iria sair, ela chamou a polícia que informou para ela que não poderia me tirar do apartamento porque está alugado em meu nome, então ela saiu e foi para casa da mãe, no outro dia voltou com um caminhão de mudança e levou tudo TUDO só deixou o sofá e o microondas pra mim. Cara foi uma puta de uma sacanagem isso. Ela sinceramente acho que ela não eu uma pessoa boa para estar ao meu lado e estou iniciando um processo dentro de mim de mejo por ela e perdendo o amor. Hoje ela postou algumas mensagens no WhatsApp como indireta para mim. A mãe dela me disse que ela tá estranha. Claro deve tá batendo o arrependimento e a falta por mim. Mas a bixa e tão orgulhosa que não vai mandar e nem eu l. Na boa to tranquilo, já tô gostando da ideia de volta pra casa da minha mãe junta uma grana e compra um carrão pra mim. A minha dor já passou por ela e coloquei uma data limite de até o final de outubro passou disso tchau não voi fica esperando ela.
18/10/2020 Em uma breve conversar com a minha sogra ela me disse que não esta vendo a filha dela bem com essa separação e está preocupada com ela. Agora eu estou super puto da vida porque acho que ela esta resistindo a volta pra mim mesmo sofrendo. Que foda, minha vida está de cabeça para baixo , por mais que eu tente esquecer ela vendo vídeo motivacionais, religiosos ..etc isso não passa nem o tempo está ajudando. O termino foi no dia 02/10/2020 .. continuo seguindo o conselho minha sogra de não fala com ela...eu errei muito com ela. Se ela me dar mais uma chance cara eu sou muito sortudo mas não acredito que isso vai acontecer. Eu não me vejo com outra pessoa só de pensa sinto nojo eu gostava dela, eu nunca senti dor tão forte como essa tá piorando a cada dia estou ha 3 dias seguidos sem dormir vou acabar morrendo ou ficando louco morador de rua. Eu sinto que ela esta pensando em mim a gente tinha uma conexão qual que de alma gêmea . Porque ela está fazendo isso comigo? Ela tá me deixando assim pra eu sofrer e nunca mais beber ou fumar se for isso ok já aprendi a lição. Estou ficando de saco cheio já dessa putaria vou meter o louco e começar a xingar ela e a mãe dela. Porra, a mãe dela fica me dando esperança dizendo que ela volta e bla bla bla que ela gosta de mim que ela quer que eu mude que eu melhore que eu acorde para o relacionamento que não se torne pior do que já estava. mano, mas minha esposa fala que ACABOU ai me bloqueia ai desbloqueia fica vendo meus status ai me manda mensagem me xinga ai bloqueia ai desbloqueia ai fica vendo meus status denovo. Tô ficando maluco já. Ai que porra. Ela médica veterinária e e está trabalhando em plantões de 12hs ela deve tá muito puta comigo, aqui no Butantã temos praças aonde ela costumava passear com os cachorros todos os dias agora na zona leste ela não pode fazer isso então e casa e trabalho nossa ela deve tá sofrendo... Cada dia que passa eu vou sentindo mais falta e nesse momento acredito que as chances dela volta comigo são mínimas, eu tenho dificuldade de conquista outras mulheres e não vou superar nunca a perda do meu amor. Caraio a vida é foda com a gente. 2- Que situação tudo isso aconteceu por culpa minha. Estou sofrendo pra caraio e ela mais ainda pq teve que larga o trabalho .. me sinto no fundo do poço , talvez eu nunca volte a vê-la novamente. 3- Minha sogra mudou o tom das conversas acho que azedou de vez não volta mesmo. O apartamento está financiado no nome da mãe dela e tem que paga multa na boa eu quero que se foda porque a minha esposa levou as coisas então elas que se virem pra paga o aluguel e a multa.
19/10/2020 Hoje a minha sogra me pediu para fala com a minha esposa minha sogra quer muito que eu fique com a filha dela ela gosta muito de mim e eu dela.(coisa rara de acontecer) Bom, por enquanto a minha esposa ou ex. Sei lá. tá me respondendo na boa sem agressividade, vamos ver o que vai rolar. / A conversa com a ex. azedou e ela me falou que a única coisa que tem pra resolver comigo é a separação em juiz. Minha sogra disse pra mim que ela tá falando isso agora e tem certeza que a gente vai volta. / Mano, azedou de uma tal forma que me tenho mais esperança de nada. Acabou mesmo
20/10/2020 Minha ex. Bloqueou whatsapp telefone em todas as redes sociais tivemos as conversas por telefone e quando dizia que gostava dela e que mudei e me arrependo do erro ela até dava um bom sinal que tbm gosta, me contou que está passando uma grande dificuldade no trabalho e está difícil fica na casa da mãe dela. Eles tiveram uma briga ontem. Ela por ter saido do apartamento acha que eu tenho que pagar a multa de recisão sozinho. Tá sendo um inferno. Ela tomou a decisão errada e está claramente arrependida com isso. Não quer ficar na casa da mãe dela. Eu peço a Deus que em guarde e me proteja eu não entendo como a pessoa que me dizia me amar e 15 dias atrás agora me odeia e não quer me ver. Eu amo tanto essa pessoa e não consigo superar e acredita que estou passando por esse tipo de situação, agora não tenho nem um tipo de contato com ela. Meu deus do céu me arrependo por ter bebido e fumado essa foi a causa do termino do meu casamento.(ainda tenho um sentimento de alívio ou que algo ainda vai muda) / Rolou mais um quebra pau entre minha sogra e minha ex. Esposa agora a minha ex saiu da casa da mãe mandou várias mensagens pra mim e a merda fedeu de um jeito que não teu volta não. Minha ex agora não quer fala comigo e nem com a minha sogra .. caraio que barraco feio da porra que eu me envolvi com essa mulher ela é muito louco e agressiva até com a mãe dela. Gente do céu pedi o interesse nela total só me sobrou dó agora porque ela saiu da casa da mãe e não sei pra onde foi ... Eu acho que ela esta surtada da cabeça não se acalma de jeito nem um. Meu deus do céu. O pior que ela mexe com uns negócios de macumba e parece que essa porra tá afetando a vida dela.. tínhamos uma vida tão boa e ela chutou o pau da barraca assim do nada caraio, nunca pensei em passa por uma situação assim na minha vida. Há 15 dias atrás uma pessoa que se deitava comigo dizia que me amava, fazia amor comigo agora me odeia.. caramba estou transtornado com essa situação. Coisa horrível.
20/10/2020 Minha ex. Está descontrolada a mãe dela expulsou ela de casa disse que ela está insuportável, aparentemente ela surtou, agora está mandando mensagem para mim e para a minha sogra com tons agressivos. Estamos preocupados com ela pois ela já agia assim com agressividade com a gente mas parece que piorou .. agora a situação virou caso de preocupação com ela pois não sabemos qual será a atitude dela. Ela continua me mandando mensagem mas nem respondo.. ela não está com a cabeça boa não.
Uma coisa não se encaixa nessa história! 13h ela foi explusa de casa 17h ela me disse que alugou um apartamento 19h Postou foto no whatsapp já no novo apartamento com os móveis nele eu vi na foto mesa, e outras coisas que eram do nosso apartamento. Detalhe, a mãe dela estava no trabalho como iria expulsa ela de casa ?
Eu estou sendo manipulado 🥺 É tudo uma farsa.. meu deus quem são essas pessoas que estão conversando comigo? Não to entendendo mais porra nem uma.
22/10/2020 Estou começando a me sentir mais aliviado e com pensamentos positivos, porém as vezes ainda sinto uma dor pela falta dela, talvez eu nunca consiga esquecer a fernanda. Vou levar essa dor dentro de mim pelo resto da minha vida. Só um milagre pode salvar meu casamento nesse momento. Me bloqueou novamente no whatsapp mais uma facada no coração. (Não bloqueou só retirou a foto dela) fazendo joguinhos novamente, estou perdendo minha sanidade mental com essas atitudes.
A mãe dela tá sendo muito boa comigo. Porém a filha dela não está cooperando não quero mas estou desconfiado que a mãe dela só está sendo boa comigo porque o contrato do apartamento está no nome dela e tem a multa e o aluguel desse mês pra pagar. Caraiooooooooo minha mente está a mil.
23/10/2020 Trocando indireta via status do WhatsApp. Coloquei uma foto linda minha a bicha deve tá puta. ela colocou uma dela tbm. mas na boa eu sou bem mais bonito.. hahahaha Postei uma foto que apareceu minha mão sem aliança mas a foto estava invertida ela viu e me mandou mensagem reclamando que eu tirei a aliança.. hahaha.. aff ela separou de mim e tá cobrando que eu use aliança? Na verdade eu continuo usando sim.. mas sei que ela não.
24/10/2020 Sem ela percebi que não sei fazer nada, o apto está uma zona, cheiro de comida estragada o sofá com cheiro de chulé, estou comendo comida de microondas não sei nem o que pedir no ifood. Eu era totalmente dependente dela nas decisões nem o lixo eu tirei. Nossa, estou perdido. Eu fico esperando uma mensagem dela a todo momento, só queria que tudo voltasse ao normal. Essa experiência está sendo torturante. Comentou em mais um poste meu. (Mandei um oi e me ignorou) ela tá ficando muito online no whatsapp acho que ela tá ficando com outra cara. Meu coração tá doendo muito.
25/10/2020 Peguei ela online no WhatsApp as 1:40 da madrugada ela nunca ficou acordada até esse horário. Ela saiu pro rolê ou tá ficando com outro cara. Eu vivia com um mostro dentro de casa, ela nem se divórcio de mim ainda e já tá saindo muito safada... Lamentável.
Era o fim e eu que não quis aceitar as 4:30 da madrugada ela me mandou mensagem falando várias coisas e mandou um vídeo em estava em bar de pagode, disse que quer me ver nem respirar o mesmo ar que eu e outras coisas mais... Pessoal infelizmente não tenho chances de reconciliação com a minha esposa ela está com muita ódio de mim e vou ter que carregar esse meu erro pelo rest da minha vida.. a dor nunca vai curar... Pedi tanto a deus que me ajudasse orei tanto e a mãe dela também mas não deu certo. Eu levei a minha vida para o fundo do poço, nunca vou encontrar uma mulher igual aquela Deus me castigou ele não gosta de mim pedi a ajuda dele e ele não me ajudou nada mudou só ficou pior a cada dia e hoje ela está totalmente me odiando ... Deus o senhor não foi justo comigo eu pedi perdão ao senhor rezei pelos meu pecados sempre fui uma pessoa boa pra todo mundo porque o senhor fez isso comigo ? Me tirou a pessoa que eu mais amava no mundo de mim. Porque? Isso doi muito esse mundo não é bom.. só tem maldades e coisas ruins minhas esposas éramos tão felizes foi só um erros dava pra concertar. Mas minhas orações o senhor falou comigo "filho fique calmo ela vai volta pra você" porque o senhor me disse isso e não aconteceu isso deus ? Eu estava esperando o tempo dela. E não valeu por nada nada.. ela sente muito ódio por mim.
Nossa, o jogo deu um reviravolta. Depois da mensagem que ela me mandou na madrugada eu enviei um textão pra ela. Disse que até queria muito que ela fosse minha esposa mas depois dessa atitude eu prefiro seguir a minha vida sem você, que o divórcio o mais rápido possível e agradeço pela sua passagem em minha vida me ajudou abrir meus olhas pra vida para de beber e fumar estou um homem melhor para a minha verdadeira parceira e esposa. Pra que ela ficou louca, coloquei ela no lugar dela e dei pra ela bem entender que eu não queria mais ele. E continuava dizendo do divórcio. Ai ela disse eu não vou fazer nada de divórcio não para com isso e bla bla bla.. dominei ela agora tá conversando comigo igual uma santa e me ligou ficamos 30 minutos conversando.
Então ela ainda me amava mas estava com raiva por algumas atitudes minhas e então saiu.. o problema é que ela estava fazer uma tortura emocional em mim o que acho uma puta de uma sacanagem eu posso ter aprendido algumas coisa mas poxa, na boa não precisava pegar tão pesado assim..
Gostaria de pedir desculpas a Deus ele falou pra mim e se realizou aparentemente vai dar tudo certo. Nós vamos combina de se encontrar, ela já me pediu pra comprar comida para o gato e um brinquedo para ele.. eu disse que sim vou comprar.
26/10/2020 Hoje consegue dormi e acordei bem melhor, fiz meus exercícios e estou na empresa, mandei mensagem pra ela falando bom dia e uma ótima semana. Não vou estender mais a conversa. Durante a semana vou com calma acredito que agora ambos os lados estão mais calmos.
submitted by zsagattigerz to desabafos [link] [comments]


2020.10.10 14:16 TapperTotoro Os meses em que vivi na rua, toda a fome que passei e a bicicleta que mudou tudo para melhor.

Eu venci a depressão e é isso que tenho feito desde que me curei! - Parte 3/365
Uma espécie de diário aberto: Os meses
Olá ...
Hoje não devo escrever muito, e decidi partilhar uma prosa que escrevi nos meses que sobrevieram o meu divórcio (editado: escrevi mais do que achava que escreveria).
Para colocar em perspetiva: depois de sair da casa que era minha (comprada e que ficou para a minha ex-esposa e para os meus filhos) consegui alugar uma casa por alguns meses, mas não conseguia trabalhar por causa da profunda depressão, além de não receber respostas positivas por parte das empresas para onde mandava o meu curriculum e em poucos meses todas as minhas poupanças acabaram e acabei por ter de ir morar para a rua. Morar na rua implica passar fome - já passei noutros momentos da minha vida, pois durante grande parte da minha infância, o país em que nasci e vivi até antes de me ter mudado permanentemente para Portugal, viveu em guerra civil - felizmente Portugal é um país relativamente seguro, mas nada fácil principalmente para pessoas negras (acreditem, por mais inteligente e boas referências uma pessoa negra tenha aqui em Portugal, é muito difícil arranjar algum emprego que os próprios portugueses consideram "condigno", e todos os lugares em que trabalhei cá eram fora da minha formação - Estatística, Gestão, Informática e Administração, fora os conhecimentos de informática que tenho mas que infelizmente ainda não tenho um diploma para provar que tenho, mas em breve isso mudará. (lembra-se, estou a estudar e no final do próximo ano recebo um diploma de Desenvolvedor de Software).
Felizmente por causa do meu trabalho com as artes, conheço muita gente que apesar de não me poderem ajudar com a questão da casa, arranjavam-me algo para comer durante os meses em que vivi na rua e saí da cidade em que fui viver depois do divórcio, muita gente passou-me contactos que elas tinham e eu arranjei um emprego num bar (aos finais de semana e feriados de noite-madrugada) e com esse dinheiro eu conseguia comer e poupar para comprar uma bicicleta.
Porque uma bicicleta?
Simples: eu caminhava mais de 10 quilómetros todos os dias que voltava do trabalho no Bar, às 02:00 da madrugada. Nessa mesma altura em que comecei a trabalhar no bar, ia para um lugar em que tinha uma escola antiga que era usada como estúdio de ensaio para bandas e outras atividades culturais e recreativas, e lá ficava a preparar as minhas refeições e compor músicas (além de tratar da minha higiene). Felizmente, eu não preciso de dormir bastante ou consigo passar até uma semana sem dormir (literalmente) e também aproveitava o facto de que existia uma praia fluvial por perto para ir tirar uma soneca lá nos dias em que estava muito exausto. Infelizmente o dinheiro que ganhava no bar, mesmo com as gorjetas não servia para alugar sequer um quarto (mesmo tendo eu comida de graça no bar para jantar de noite e pequeno almoço de madrugada, e poupando algum dinheiro); então a bicicleta ajudar-me-ia e ajudou bastante a tanto poupar mais algum dinheiro que gastava com o autocarro para ir trabalhar, quanto poder me deslocar para mais entrevistas e futuros trabalhos.
Passado um mês depois de começar a trabalhar no bar, recebi uma resposta de uma das fábricas em que tinha mandado o meu curriculum e que ficava há mais ou menos 10 quilómetros do edifício em que tinha a sala de ensaio; depois de ir para a entrevista de dia, na tarde do dia seguinte eles ligaram-me a dizer que eu tinha ficado com o trabalho e que começaria já no dia seguinte (nota, faltavam alguns euros para poder comprar a bicicleta nesse dia e eu tinha de arranjar uma maneira de conciliar os dois trabalhos, pois um terminava às 02 da madrugada e o outro começava às 05:30 da madrugada, mas de forma rotativa - uma semana às 05:30, e outra às 13:30, e nas sextas feiras a hora em que saia de um era muito depois da hora em que eu tinha de entrar para o outro trabalho - bar e fábrica).
Essa incógnita dos dois trabalhos que não deram para conciliar. O que fiz?
Bem, uma coisa de cada vez. Primeiro, fui trabalhar para o bar numa quinta feira que era feriado e tinha de entrar para a fábrica na sexta feira, às 05:30, e como ainda não tinha a bicicleta, saí do bar e caminhei até à fábrica, estava super empolgado e feliz por ter um trabalho a tempo integral, e como sairia às 13:30, não havia nenhum problema em não ir para a praia fluvial tirar uma soneca. Nesse dia, lembro-me que não foi difícil aprender a trabalhar com as máquinas da fábrica (tenho essa facilidade aprendizado absurda); mas passei todo o turno de trabalho a pensar em como lidar com essa incógnita e cheguei à conclusão que somente ia trabalhar no bar (e não poderia trabalhar lá porque não tinha como mudar os meus horários de trabalho em ambos os lugares) até a conseguir comprar a bicicleta e calhar a sexta feira em que o meu horário de trabalho na fábrica terminava depois do início do meu horário de trabalho no bar (num terminava às 21:30 e noutro começava às 17:00).
Segundo, trabalhei nos dois lugares durante uma semana, falei com os meus empregadores e como não deu para mudar os horários, despedi-me do bar e fiquei a trabalhar somente na fábrica, e no meio disso tudo, comprei a bicicleta e todos os dias, de segunda à sexta, numa semana acordava às 03:45 da madrugada para pedalar por uma hora até ao trabalho e depois mais uma para voltar até ao estúdio às 13:30 e noutra entrava às 13:30 e às 21:30 pedalava eu até ao estúdio de ensaios para espairecer e criar alguma coisa artística e fazer a minha higiene pessoal, além da comida para o dia seguinte ...
A fome e a rua!
A fome: em menos de 4 meses eu saí dos meus 98 quilogramas de peso, para os 66 quilogramas. Isso para mim resume tudo, mas ainda assim consegui ter energias para caminhar e lembro-me de ficar pasmo que em menos de uma semana eu tinha caminhado mais de 100 quilómetros (gravei uma foto com isso e uso-a para lembrar-me sempre do quão forte sou capaz de ser nos momentos de maior adversidade. A fome nunca é só fome, é também propulsora de ansiedade, fragilidade psicológica além da física, desmotivadora . . . mas venci a fome com toda as forças que reuni quando decidi voltar a viver e lembro-me muito bem que sempre que eu ia trabalhar para o bar, e sorria, não era um sorriso para esconder as dores no estômago ou todo o caos da minha vida nos últimos meses, mas sim um sorriso cheio de esperança e motivação, pois como já disse, pelo que parece, sou muito bom a começar do zero e a além de sobreviver, viver. A rua ofereceu-me muito mais do que eu podia imaginar, não no quesito segurança contra todos os elementos da sociedade e natureza, mas na paz que mesmo lá, no fundo do poço do conceito da sociedade materialista, encontrei e que me ajudou a ter mais forças para superar tudo ...
Enfim, sempre que me referir ao mês de junho de 2019, será para falar do mês em que recomecei realmente a minha vida depois do divórcio e de superar a depressão, a fome e o viver na rua, pois nesse mês eu consegui um trabalho a tempo inteiro, comprei uma bicicleta, conheci a minha atual namorara (uma mulher incrível que muito amo) e voltei a viver entre as quatro paredes em que me encontro hoje. Cá fica um dos textos literários que escrevi num dos meses em que morei na rua e perdia de forma assustadora a minha massa corporal:

GRÃOS, LEGUMINOSAS, TUBÉRCULOS E FUNGOS
É assim que se destrói o homem, em atenção, não! Não apenas o ser portador do mastro sexual, mas o animal de espécie humana. O fumo varre o meu olhar entre a realidade num lado, e a minha mente do outro, o vidro duplo no meio, física transparente da janela; da direita para a esquerda, embriagado pelo vento, enquanto se dissipa o tempo. Mas não! É assim que desaparece a minha vida. Enquanto como arroz, ao acordar, mas somente depois de passadas seis horas. Até lá, permaneço de estômago vazio a tentar escapar da morte. E ervilhas, e alface no dia da alface, e cenoura no dia da cenoura, e cogumelos, não os mágicos, no dia da não cenoura, depois de se terem acabado as regalias de poder escolher comer tudo exceto carne.
Conto cada moeda e frequências que me restam. A dissolução do acordo fraternal, previsível e instável, levou tudo, depois de seis anos a negar o evitável; anos que se prenderam à todas as decisões tomadas, desde o momento em que os meus pais, acidentalmente, deram vida ao humano que me tornei, até milhares de dias atrás, minutos que antecederam a rutura. Mas não! Não é assim que se destrói, põe-se fim ao marco de toda uma tentativa de encontrar a felicidade e a paz, nos braços de quem só me teve por posse, como se de um escravo se tratasse a minha existência, tal como foram enjaulados os meus antepassados mais próximos, acorrentados e separados do que lhes era posse por direito de nascença, alguns dias antes do meu nascimento.
Ao olhar para o fumo que se dissipou por completo, vejo as arvores que ao de longe são menores do que o meu medo, mas ao de perto, são tão altas quanto ou mais do que a minha alma que clamou por ajuda, à minha mãe, se é que ainda a posso chamar mãe; à minha irmã, não tão adorada desde sempre; ao meu irmão, em quem me espelho inversamente; aos agiotas, que nunca soube onde encontrar; aos ladrões que guardaram o meu dinheiro todo, durante a vida que perdi; aos traficantes, de tudo e menos alguma coisa; aos assassinos, de sonhos e modos; aos meus amigos, envenenados pela mulher que me desposou outrora; aos que ajudei um dia, a troco de nada; e ainda assim, nem mesmo por não merecer um pingo de empatia, ainda assim, ninguém me estendeu a mão, exceto?
Exceto a única pessoa que em meio tempo passou a ver quem sou, e descobri que sempre foi tudo; o que se esconde por baixo da máscara, quem se esconde por baixo do olhar e dos sorrisos, muitas vezes falso, muitas vezes desnecessário, mesmo não podendo dar mais do que o último centavo que lhe resta, permaneceu aqui, ao lado, a segurar-me pela mão e pelo olhar, numa tentativa de reanimar o homem, mas não o que carrega entre as pernas a corda reprodutiva, e sim o humano que nunca deixou, e se nega a deixar de ser uma criança, a mesma que chora sempre que se lembra de todas as vezes em que quase morreu, e que também morreu um dia, mas voltou por ter encontrado a resposta para a continuidade da vida, a criança que tem, com o passar de cada ano, menos dias para chorar, enquanto se prepara para ser o motivo do choro de, talvez, menos pessoas do que consegue contar, com quatro dos seus cinco dedos da mão esquerda.
É assim que se destrói um homem. Enquanto como arroz, antes de me deitar e desejar acordar noutra manhã, até lá, permaneço de estômago vazio a tentar escapar da morte. E ervilhas, e alface no dia da erva, a não psicoativa, e cenoura no dia da cenoura, e cogumelos, não os mágicos, no dia da não cenoura. Porque quem jurou amar-me abandonou-me quando tudo ficou extremamente difícil e necessário. E todos os que me amam, ainda, os mesmos que deduzo que não sabem o que é amar, estão longe agora que estou mais perto da transcendência. E apesar de me ter afastado propositadamente, para desperdiçar comigo mesmo alguns poucos anos da minha vida, ainda assim, me sinto indigno de pena, dissociado de tudo o que é meu, não por direito de nascença, mas por direito de divindade, de criação, de clonagem da minha acidez desoxirribonucleica, e dos meus glóbulos falciformes, alimentados pelos açucares naturais do pouco que me resta para comer, e pela gordura, e músculos do meu sempre magro corpo.
E assim se mutila e assassina o homem, fazendo-o comer-se a si mesmo, do tutano dos ossos para fora, até que inclusive os sonhos se tornem o único alimento imaginável que lhe resta para adormecido energizar a vida.
Reinicia.
Com amor;
Aladino.
submitted by TapperTotoro to desabafos [link] [comments]


2020.10.08 01:46 CasaGolden A escolha do favor de Sansa: O caso de Sir Byron, o Bonito (Parte 2)

A seleção de Byron também apresenta uma oportunidade para Martin explorar os paralelos muito convincentes com o Torneio da Mão quando Baelish apostou contra um cavaleiro que havia recebido o "favor" de Sansa. A confiança de LF em suas conspirações é uma reminiscência de sua certeza no Torneio da Mão sobre a razão pela qual o Cão perderia para Jaime, contada através do ponto de vista de Ned:
– Cem dragões de ouro pelo Regicida – Mindinho anunciou sonoramente quando Jaime Lannister entrou na arena, montando um elegante cavalo de batalha baio puro-sangue, que trazia uma cobertura de cota de malha dourada, e Jaime cintilava da cabeça aos pés. Até a lança tinha sido feita com a madeira dourada das Ilhas do Verão.
– Está apostado – gritou de volta Lorde Renly. – Cão de Caça traz hoje um ar faminto.
Mesmo os cães famintos sabem que não é boa ideia morder a mão que os alimenta – Mindinho gritou secamente. (AGOT, Eddard VII)
Mindinho ficou mais sábio desde então? A raiva mal contida de Sor Lyn Corbray argumentaria que não; ele se esqueceu de que cães famintos podem de fato morder ou mesmo ferir seus donos. Sua conversa com Alayne após a partida do trio no AFFC fornece evidências adicionais de que ele manteve a mesma mentalidade equivocada o que pode ter garantido involuntariamente sua própria queda:
– Cavaleiros andantes? – Alayne perguntou, quando a porta foi fechada.
Cavaleiros famintos. Achei melhor termos mais algumas espadas à nossa volta. Os tempos tornam-se cada vez mais interessantes, minha querida, e quando os tempos assim são, nunca se pode ter espadas demais. O Rei Bacalhau regressou a Vila Gaivota, e o velho Oswell tinha algumas histórias para contar. (AFFC, Alayne II)
Durante o Torneio da Mão, vimos Sansa através do ponto de vista de seu pai apoiando silenciosamente o Cão de Caça durante sua partida com Jaime. Ela assiste a justa "com os olhos úmidos e ansiosos", de acordo com Ned, e depois declara "Eu sabia que o Cão iria vencer". Antes desse evento, Sandor tem a tarefa de acompanhar Sansa de volta a seus aposentos e no caminho eles desenvolvem uma conversa profunda que marca uma nova fase no relacionamento dos dois. Há todos os motivos para acreditar que o apoio de Sansa a ele durante essa justa foi por ela saber a verdade de como ele foi ferido por Gregor e a afinidade que surge entre os dois é resultante dessa revelação. Sansa até previu que ele seria o campeão quando ele salvou Loras Tyrell da ira de Gregor. Para reiterar, Mindinho perde sua aposta para Sansa no Torneio da Mão, pois ele acha que o Cão de Caça será muito cauteloso para derrotar seus senhores Lannisters. Isso fornece um paralelo esclarecedor ao que podemos ver acontecer durante o torneio dos Cavaleiros Alados, onde temos Harry, o Herdeiro, como o cavaleiro em que Mindinho fez suas apostas, confiante de que ele conseguiu obter a cumplicidade de Alayne na trama, e provavelmente mais alguns truques na manga para garantir que Harry ganhe um lugar entre os cavaleiros alados. Harry, portanto, assume o papel de Jaime Lannister nesta comparação. Como terminou a justa de Sandor Clegane e Jaime? Bem, aqui está a passagem:
Cão de Caça conseguiu manter-se sobre a sela. Fez seu cavalo dar meia-volta com dureza e regressou à arena para a segunda passagem. Jaime Lannister atirou ao chão a lança quebrada e apanhou uma nova, brincando com o escudeiro. Cão de Caça esporeou o cavalo para um galope duro. Lannister avançou para enfrentá-lo. Dessa vez, quando Jaime Lannister mudou de posição, Sandor Clegane mudou com ele. Ambas as lanças explodiram, e quando os estilhaços assentaram, um baio puro-sangue sem cavaleiro trotava para longe em busca de grama, enquanto Sor Jaime Lannister rolava na terra, dourado e amassado.
Jaime Lannister estava de novo em pé, mas seu ornamentado elmo de leão tinha sido torcido e amassado na queda, e agora não conseguia tirá-lo. A plebe gritava e apontava, os senhores e as senhoras tentavam abafar o riso, sem conseguir, e, sobre toda aquela algazarra, Ned ouvia o Rei Robert às gargalhadas, mais alto que todos os demais. Por fim, tiveram de levar o Leão de Lannister a um ferreiro, cego e aos tropeções. (AGOT, Ned VII)
Agora considere como isso se encaixa com o que Sansa deseja para Harry depois que ele foi rude com ela durante a conversa inicial quando ele chegou aos Portões:
A armadura de uma senhora é a sua cortesia. Alayne podia sentir o sangue correndo em direção a seu rosto. Sem lágrimas, ela rezou. Por favor, por favor, eu não posso chorar. “Como desejar , sor. E agora, se me dão licença, a bastarda de Mindinho deve encontrar o senhor seu pai e informá-lo de sua chegada , para que possamos começar o torneio pela manhã.” E que seu cavalo tropece, Harry, o Herdeiro, para que caia com essa cabeça idiota no chão na primeira justa. Ela mostrou aos Waynwoods um rosto de pedra, enquanto eles proferiam desculpas desajeitadas por seu companheiro. Quando eles terminaram, ela se virou e saiu. (TWOW, Alayne I)
Sansa essencialmente deseja que aconteça a Harry a mesma coisa que vimos acontecer com Jaime quando ele cai e não consegue tirar o capacete de sua cabeça. Será que vamos ver uma cena semelhante em que Harry realmente acaba machucado na terra, humilhado no torneio pelo campeão de sua noiva? O fato de ele agora estar associado a dois Lannisters certamente não inspira confiança de que veremos um casamento ocorrendo entre ele e Sansa como Baelish está apostando.
Em última análise, o que Mindinho parece fundamentalmente incapaz de compreender é que as pessoas são motivadas por outras coisas além do dinheiro. Mesmo alguém tão insensível e frio como Sor Lyn quer uma senhoria e não simplesmente meninos para saciar seu desejo. O que homens e mulheres honrados querem? Aqueles que se lembram dos laços de lealdade, honra familiar e possuem valores que não podem ser comprados ou negociados? Homens como Bronze Yohn e aqueles que estão se arrastando pela neve para resgatar a "garota de Ned" em Winterfell? Ao contrário de LF, é Sansa que vimos empregando suas habilidades empáticas para determinar os verdadeiros desejos das pessoas e inspirá-las para fins melhores.
Como um intrigante aparte, seria negligente não mencionar a teoria de Ragnarok, um dos colaboradores do Pawn to Player, onde ele compara a contratação de LF de três cavaleiros errantes aos três Kettleblacks que estavam protegidos em Porto Real para espionar Cersei e Tyrion e reportar a Mindinho em segredo. Na citação acima sobre "cavaleiros famintos", vimos que Oswell tem "algumas histórias para contar", já que o Rei Bacalhau voltou para Vila Gaivota, provavelmente devido ao conflito que se desenrolava entre Cersei e a Fé em Porto Real e como seus filhos foram implicados . Ragnorak analisa em uma discussão de nossa teoria sobre Morgarth:
Mindinho está espelhando Cersei com ela contratando os três Kettleblacks e seu plano para esconder Tommen. Eu vinculo isso à sua traição a Ned, onde outro Lorde Protetor se viu sem um exército em meio a intrigas políticas. Pode muito bem haver o tema aqui de que as “fraquezas” das façanhas de Mindinho são mais inerentes às necessidades de um Senhor com bens para defender do que algo nascido da tolice. É um jogo diferente quando você tem algo a perder, propriedades para proteger e está no radar de todos os outros. Voltando ao nosso maluco atual, se os paralelos Cersei são intencionais, então ver esses três cavaleiros como figuras pseudo-Kettleblack pode ser útil, especialmente porque nos foi dado o suficiente para saber que pelo menos um tem motivos ocultos.
Com grande poder vem grande responsabilidade e o aspecto mais notável do capítulo pode ser o quão ausente LF está do início ao fim. Apesar de ele claramente ainda estar no comando como o Lorde Protetor, é Alayne que vemos com a considerável liberdade de movimento, notando a queda da lealdade de Sor Lyn ao pai, e ter uma primeira impressão muito angustiante do rapaz com quem ela deve se casar ansiosamente. Indiscutivelmente, são as palavras bruscas de apoio de Lothor Brune - "Ele é apenas um escudeiro arrogante" - que lhe dão mais conforto do que a lisonja ameaçadora de LF. A maior fraqueza de Baelish no Torneio da Mão é sua obsessão por Catelyn Stark que ele transferiu para sua filha. Ninguém está em posição de explorar essa fraqueza melhor do que Sansa, e escolher um cavaleiro para usar seu favor pode ser o primeiro passo crucial para obter o controle de sua própria rede de aliados que se reuniram nos Portões.
Mindinho não tem motivos para suspeitar do belo cavaleiro andante Sor Byron - na verdade, pelo que parece, Sansa está seguindo seu conselho à risca, escolhendo “algum outro galante” para mostrar favor em vez de dar a seu prometido a honra esperada. Além disso, como estabelecemos, ele pensa que "cães famintos sabem que não é boa ideia morder a mão que os alimenta" e, em sua avaliação, Byron é seu cavaleiro faminto, cujas necessidades básicas podem ser satisfeitas com moedas, alojamento e comida, como ele serve para proteger o domínio de LF no Vale de quaisquer ameaças externas. No entanto, essas ameaças externas conseguiram entrar, apesar do alardeado isolamento e segurança da região, e Byron pode vir a ser uma figura-chave nesta oposição, juntamente com Sor Morgarth e o Rato Louco.
Mindinho ignorou a relutância de Sansa em se casar novamente; sua relutância em aceitar seus beijos e toques “paternais”; seu completo desinteresse pelo tipo de pretendente que Harry, o Herdeiro, representa. Apesar de todo o seu jogo astuto, ele pode ser deliberadamente cego quando se trata de questões do coração, levando-o a uma autodestrutividade que ficou evidente em seu desafio quase fatal com Brandon Stark pela mão de Cat. Suas maquinações no torneio representariam a terceira vez que ele perdeu, no sentido de que o objeto de sua afeição escolheria outra pessoa para usar o favor. Seria um desenvolvimento tematicamente adequado se, assim como foi um dos três Kettleblacks que ele contratou - Osney, no caso - que levou à prisão de Cersei pela Fé, a queda do próprio Mindinho fosse provocada por um dos três famintos cavaleiros que ele também contratou.
Em conclusão, apesar de decorrer da fugaz questão sobre a verdadeira identidade de Byron, esta teoria não propõe uma resposta, mas sim atesta o papel que ele pode desempenhar no arco de Sansa como um aliado dela junto com Sor Morgarth e Sor Shadrich. Em última análise, seja ou não Morgarth realmente o Irmão Mais Velho ou Shadrich seja Howland Reed, há evidências suficientes no texto que sugerem que esses homens contribuirão para desfazer os planos cuidadosamente traçados de Mindinho. Vimos Shadrich emergir de um segundo plano para envolver Alayne em uma conversa, e todos os três fazem questão de dançar com ela no banquete. O pouco que sabemos sobre Byron o estabelece como a escolha natural a ser selecionado por sua aparência e provável habilidade como um jovem cavaleiro em seu auge. Não tendemos a pensar nos favores femininos como armas de Tchekhov* em potencial, mas Martin forneceu provas abundantes de torneios anteriores que esses eventos podem ter centelhas de intrigas e desenvolvimentos inesperados. Byron, o Bonito, poderia ser o tipo certo de combinação.

* "Anton Tchekhov (1860-1904) foi um médico, dramaturgo e escritor russo que estabeleceu uma regra utilitarista sobre todas as coisas mostradas em uma obra de entretenimento: um objeto apresentado ao público deve ser utilizado em algum momento da trama, caso contrário, ele deve ser removido para não causar distrações. Claro, se o objeto foi introduzido como uma manobra de diversão, não há problema. Tchekhov utilizou o exemplo da arma que deve ser disparada, mas poderia ser qualquer outro objeto, pessoa, magia, sonho, contexto e etc. " https://atitudereflexiva.wordpress.com/2019/06/05/a-arma-de-tchekhov/
submitted by CasaGolden to Valiria [link] [comments]


2020.10.06 12:20 internalerrorfixed Me relataram ser vítima de um estupro e não sei o que fazer

Trabalho em uma farmaçia e parte do meu trabalho consiste em atender fornecedores pelo telefone. Há 27 dias eu atendi uma ligação, sempre bem educado, e a vendedora depois falar o "script" dela, perguntou minha data de nascimento e acabou pedindo meu contato pessoal. Resolvi passar porque não tinha motivos para não fazer. Talvez era alguém querendo algum tipo de ajuda, dúvida, e que ali na hora não queria perguntar ou estava com vergonha. Mas achei muito estranho perguntarem a data de nascimento, nenhum vendedor nunca fez isso.
Quando cheguei em casa lá estava um áudio com uma voz muito mais linda do que eu lembrava no telefone, comecei a conversar só pra saber o que a pessoa queria. Não tinha foto no perfil, sou feio e tenho vergonha de mim mesmo, mas ela queria saber como eu era. Sempre desconfiado, porque não me perguntava nada, não falava do trabalho, só parecia querer conversar mesmo. E eu conversava, escutava, enviei uma foto. Ela sempre mandava foto, vídeo indo caminhar, dirigindo, voltando da igreja, tudo numa boa. Uma pessoa linda, até demais, pra estar interessada em mim.
Continuo desconfiado, vou atrás de redes sociais, vejo que está participando até de concurso de beleza, crio expectativas mesmo sabendo que não tenho nada a oferecer. Lá vi que faltava poucos dias para o aniversário dela, no dia do aniversário dela espero dar meia noite, mando um vídeo todo envergonhado parabenizando ela, tenho problemas de autoestima então fica tudo bem cringe.
Ai ela começa dizer que queria me conhecer pessoalmente, me liga perguntando se pode vim na minha cidade (moramos há 160km de distância mais ou menos), mas estava tudo acontecendo muito rápido, peço pra ter calma, pra irmos nos conhecendo melhor, até porque até esse ponto as conversar eram bem casuais, eu pouco sabia sobre ela.
Ela saiu com a mãe dela pra comemorar, me manda foto e vídeo com a mãe dela, mas depois relata que achou que seriam só elas duas, mas que a mãe chegou com um rapaz e que ela não gostou dele, diz que "ele tá me testando", pergunto que tipo de teste e ela não responde.
Depois ela comenta que estava muito triste e só queria que eu estivesse lá pra poder dar um abraço nela no dia do aniversário, que tinha sido horrível sair com a mãe, que segurou choro a noite toda, que ela só queria me conhecer no dia do aniversário dela mas que parecia que eu não tinha gostado da ideia. Ai eu abaixo a guarda e crio expectativas, passo a conversar de uma forma mais carinhosa.
Pergunto sobre relacionamento e ela diz que terminou há pouco tempo, mas já estava há um tempo querendo terminar, e não dá mais detalhes. Volto a fuçar as redes e descubro que o intervalo entre o fim de um namoro de 2 anos e começar a conversar comigo é menos de 2 semanas. Volto a ficar triste e desconfiado por ser o consolo de alguém que só quer um relacionamento rebote, e que provavelmente depois de ajudar e reerguer essa pessoa, ela vai só virar as costas e voltar pro ex, que é bem mais bonito do que eu. Mas como ela sempre elogiava meu bom humor, minhas boas sacadas, acabo acreditando nessa de que talvez caráter e conteúdo se sobressaia.
Nesse ponto já estávamos conversando há umas 2 semanas, tentando encaixar uma data no final de semana pra nos conhecermos. Marcamos então para 3 de outubro, eu iria na cidade dela, 160km numa CG 150 pra conhecer alguém da internet numa cidade que nunca fui. Conversamos todos os dias por ligação, ligação de vídeo, falando sobre vida, trabalho.
Faltando 5 dias pra data que combinamos, numa ligação, ela me diz que alguém do trabalho dela arrumou alguém pra ela sair e ela aceitou, mesmo sem nunca ter conhecido a pessoa, disse que sentiu nojo, mas saiu. Beleza, racionalmente falando ela está solteira e faz o que quiser da vida, mas sinto uma falta de respeito do caralho fazer isso.
Ai eu comento sobre ela no trabalho, de forma bem rasa, e começam as histórias de pessoas que sumiram, foram roubadas, abusadas nessas de conhecer alguém pela internet. Decido investigar mais. Facebook, instagram, tiktok, facebook de todos os familiares, irmão, tio, primo, prima, mãe. Vejo que já foi casada (encontro um processo de divórcio) e que o requerente em questão foi o ex-marido. Nessa, já vejo que nos últimos 4 anos ela se casou, ficou 2 anos casada, separou, já engatou um namoro de mais 2 anos e menos de 1 mês depois já está me chamando de amor. Isso aos 24 anos de idade.
Desanimo total, decido parar de conversar e puxar assunto, levo muito a sério relacionamento e ela parece só querer aventuras. Sexta, sábado e domingo se passam. Sábado é o dia que eu iria lá. Ela nem questionou se eu iria ou não, parece não fazer muito caso, fico feliz, era o que eu queria, só me afastar e esquecer ela.
Ontem no horário do almoço dela, me manda uma foto com a cara inchada e de choro. Escrevo um texto dizendo pedindo desculpas, falando que tinha investigado a vida dela e dos familiares por medo de ir lá e acontecer alguma coisa, mas que não daria certo, que tenho coisas pra resolver antes na minha vida, mas que gostava dela, desejo sucesso e felicidades, algo pra terminar na amizade mesmo, num clima bom.
Ela responde que gosta da minha sinceridade, mas que nunca tinha pedido pra eu ir lá, e que o motivo do choro dela era algo muito pior que tinha acontecido domingo, que não conseguiu dormir, acordava chorando e gritando e pensou em me ligar, mas que bom que não tinha feito isso porque eu não me importava com ela. Que se eu fosse bom em investigar, que encontrasse quem seguiu, violentou sexualmente e bateu nela.
Ai eu desmontei, dor na barriga, tremedeira, ânsia de vomito, não sabia o que falar, aliás estou sentindo isso agora só de escrever e lembrar. Olhava pra tela do celular e não sabia o que digitar, só pensava nela sozinha em casa podendo fazer alguma besteira.
Eu jamais imaginaria que algo assim tivesse acontecido, mas ai já era tarde, ela só sabia falar que eu não me importava com ela, que era melhor assim mesmo, me afastando, e eu querendo demonstrar que mesmo não querendo um relacionamento, me preocupava sim com a vida de outra pessoa. Começou a falar que está cansada de ser julgada, que antes estava em um relacionamento abusivo, que hora eu era muito legal, mas hora eu julgava ela demais, que não era pra ter pena se nem intenção de conhecer ela eu tinha e que só queria uma amizade sincera.
Pergunto se ela está bem, se está com alguémm, responde que está em casa com medo, sozinha, com medo de ir trabalhar. Pergunto se ela conversou com alguém sobre isso e diz que não, falo pra deixar eu pelo menos escutar ela, que poderia falar o que fosse e eu ia dar suporte para o que precisasse, só que ai ela volta a discutir sobre eu parar de falar com ela, que não tinha motivo pra confiar em mim e que eu não gostava dela.
Confesso que usei de chantagem, que se não falasse comigo eu entraria em contato com a mãe e/ou irmão pra contar aquilo que ela estava me falando pra poderem ajudar ela, que se eu não conseguisse ajudar, iria encontrar alguém que consegue. Meu maior medo nesse momento era dela fazer alguma besteira, suicídio ou me bloquear e sofrer sozinha. Já estava procurando sobre o que fazer numa situação dessas na internet, o que falar, o que fazer, mas é tudo resumido em não culpar a vítima (óbvio, nunca faria isso) e escutar, mas como escutar alguém que não tem mais vontade/confiança de falar com você?
É isso, não sei como/o que/quando/quem falar, se acredito nisso ou não. Só quero o bem dela, mas não sei o que é o certo a se fazer. Jamais me perdoaria de "abandonar" alguém numa situação assim, mas sei que eu não sou a pessoa certa pra ajudar, que a família seria a melhor opção. Preciso de ajuda.

Update: ela disse que conversou com alguém do trabalho e essa pessoa marcou médico pra ela. Elogiei, disse que era bom que ela conseguiu conversar com alguém, e que seria ótimo também ir na delegacia da mulher pra relatar o crime. Enviei o link do CVV - Centro de Valorização da Vida, disse que lá ela teria pessoas mais instruídas pra conversar, de forma totalmente anônima e que iriam ajudar ela se precisasse. Terminei com um "boa noite". Ela respondeu com um "Obrigada" e "Boa noite". Considero minha parte feita, não vou mais mandar mensagem. Sendo verdade a história do estupro, ela agora vai receber ajuda de quem pode ajudar mais do que eu. Sendo mentira, conseguiu estragar um dia da minha vida me sentindo mal e quase vomitando de ansiedade, mas vou sobreviver e ter história pra contar, e até evitar futuros problemas semelhantes.
submitted by internalerrorfixed to desabafos [link] [comments]


2020.10.05 21:37 oscarsantosrus Recuperando a autoestima após a traição dela. Recomeçando a vida. Abertura para um novo relacionamento.

A minha situação levou ao menos a uma dedução, ninguém é confiável!
Eu, 44 anos (mas todos comentam que tenho cara de 30 e poucos), depois de pouco mais de uma década de casamento com ela, 42 anos (também aparenta ser um pouco mais jovem), não dá para acreditar que a mesma poderia fazer isso (foi em 2019). Tínhamos um bom padrão de vida, nada tão top, mas melhor que muitos casais na nossa faixa e alguns amigos, bons empregos, ríamos e tínhamos tudo aquilo que um casal com o tempo de relacionamento poderia ter, brincadeiras, assuntos, responsabilidades, mas sim, perdemos algumas coisas com o passar do tempo. O sexo foi diminuindo (não eu, sempre corri atrás dela), problemas foram surgindo, deixamos de conversar mais, mas no final sempre saíamos vitoriosos. Sempre estive ao lado dela, e ela alguém que chegou na minha cidade/estado sozinha, saem expectativa alguma, sem amigos, uma pessoa para quem eu sempre me doei, talvez isso não tenha sido amor suficiente, não sei, e olha que passamos por muita coisa complicada.
Sempre fui dedicado, prestativo, ajudador, carinhoso, parceiro, amigo, e esses atributos estão em mim, eu sei, já me falaram por conta dessa situação, não mudarei isso à próxima sortuda que surgir, mas recomeçar tudo de novo, encontrar alguém, o flerte, as fases, e talvez não dê em nada, difícil pra mim ouvir um não. Tenho no pacote várias falhas também, sei que não converso tanto quanto poderia , ou fui perdendo para com ela isso (um ponto que eu sei que tenho que melhorar), mesmo alguns assuntos eu evitava conversar, vergonha talvez, um tipo de receio de não ir de encontro a ela, criar conflito, é até estranho isso um casal.
Eu poderia te-la traído, mas nunca nem passou pela cabeça e nem houve alguma mulher próxima, falo por um período de distanciamento que houve por uns 5 anos devido a trabalho. Sempre fui fiel e tenho caráter, mas da parte dela nunca imaginei, nunca passou pela cabeça, que ela falharia de forma tão ruim. Eu só queria dela amor, fidelidade e dedicação como esposa.
Será que há mulheres atrás de alguém com um perfil assim? Fico na dúvida. Tinha que ser mais fácil as pessoas se conectarem. Até entrei no Tinder, recebi matches interessantes, mas depois sumiam, uma outra aparecia para conversar, mas eu ficava com receio do próximo passo. O que está escrito no perfil poderia não ser a realidade ou não espelhar o mínimo que eu precisasse saber.
Meu objetivo não é sair para sexo, é uma relação de conhecimento, amizade, diversão estendendo para algo futuro se rolar, sexo sim, faz parte do ser humano, do prazer, da relação. Casar? Minha situação me fez uma pessoa muito triste quanto a acreditar nisso, mesmo tendo sido instituída por Deus (que eu creio e sigo), mas sim, evoluindo aí pode-se pensar em morar junto ou algo de papel passado.
O pior é ela não ter aceitado o erro e tentar se justificar, até mesmo perante a família dela. Pirou totalmente a cabeça, passou a viver num mundo completamente diferente de antes.
Tenso demais isso, pior ainda é saber que foi trocado por alguém infiel (casado também), pobre, pé-rapado, sem expectativa (esse sim). Sem denegrir nos comentários, somos adultos, já passamos da fase de adolescência. E ouvir ainda coisas do tipo "nunca te amei", "você é um bom marido" e outros blablas, mas falar sobre não querer mais.
É meio que um desabafo, simplifiquei bastante como foi minha situação no passado recente, mas meu coração não está preso mais a isso, e nem a recaídas, pelo contrário, não sei e nem quero saber da vida dela, quero viver a minha como passei a viver melhor.
Caso alguém queira trocar idéia fora dos comentários pode mandar mensagens privadas que lerei.
submitted by oscarsantosrus to desabafos [link] [comments]


2020.10.05 03:01 YatoToshiro FGO: North American Myth War: E Pluribus Unun (Analise)


https://preview.redd.it/154w34yjd6r51.png?width=1024&format=png&auto=webp&s=c8a5c3adb3635e7b10c97c30a391f441c99ed17b
Ritsuka e Mash chegam na era em uma floresta. Eles se deparam com uma batalha, com um lado usando robôs semelhantes aos de Charles Babbage. Os robôs confundem Ritsuka e Mash como reforços inimigos e os atacam. Depois de destruir os robôs, a dupla é atacada pelo lado oposto quando o outro recua. Embora eles sejam capazes de vencer, Ritsuka é repentinamente atingido por tiros de canhão e fica inconsciente.
Ritsuka mais tarde acorda em uma barraca, sendo tratado por uma mulher. Ela se prepara para amputar o braço deles quando Mash a convence a não fazer isso. Mash então cura as feridas de Ritsuka com um pergaminho mágico. Mash explica que eles estão na base traseira do Exército da Independência dos Estados Unidos. Ela revela que a mulher é uma serva e seu verdadeiro nome é Florence Nightingale. Ela tenta pedir sua ajuda quando o acampamento é atacado. Ritsuka e Mash saem para repelir o ataque, seguidos por Nightingale. O grupo eventualmente enfrentará os comandantes inimigos, Diarmuid Ua Duibhne e Fionn mac Cumhaill. Eles derrotam Diarmuid, mas Fionn se cura e se junta a ele em outra luta. O grupo os derrota, mas Nightingale corre de volta para o acampamento quando ela sente que os feridos estão sob ataque. Diarmuid e Fionn são forçados a recuar quando um Servo com reforços chega.
Mais tarde, uma mulher seguida por uma comitiva de soldados mecanizados repreende Nightingale por deixar seu posto. Ela revela que a América está em uma guerra entre o Oriente e o Ocidente; Oriente sendo os celtas, Ocidente implorando pelos Estados Unidos Ocidental. Ela então se apresenta como Helena Blavatsky. Ela recusa o pedido de Mash para deixar Nightingcale ajudá-los a resolver a Singularidade, mas Nightingale ignora suas ordens. Sem escolha, Helena ordena que seus soldados subjugem o grupo. Eles destroem os robôs, mas Karna chega e os ataca com Brahmastra.
O grupo mais tarde acorda, tendo sido nocauteado pela onda de choque criada quando Mash bloqueou Brahmastra. Eles estão sendo transportados para Denver, onde o rei de Helena tentará convencê-lo a se juntar a ele. O grupo acabou chegando a Denver, onde um castelo foi construído quando os celtas tomaram a Casa Branca.
Dentro do castelo, o grupo encontra Thomas Edison, presidente-rei dos Estados Unidos. Edison pede a ajuda de Ritsuka para derrotar os celtas. Antes de assumir o comando, os celtas superavam os americanos. Ele igualou as probabilidades com seus robôs, mas ele carece de Servos suficientes para virar a maré. Ele declara que fará com que os civis trabalhem 20 horas por dia para manter a produção em massa de seus robôs. Ele então revela que usará o poder do Graal para criar sua América ideal em uma linha do tempo diferente. Este ato pode destruir as outras eras. Nightingale tenta atacar Edison, mas Karna a restringe. Edison então dá a Ristuka três minutos para tomar uma decisão. Ritsuka se recusa a entrar, então Edison faz seus robôs subjugarem o grupo. Oprimido pelo grande número de robôs, o grupo é enviado para a prisão subterrânea.
Na prisão, a ligação de energia mágica de Ritsuka com seus servos é neutralizada por Helena para evitar sua fuga. Mais tarde, enquanto o grupo luta para escapar, um Servo aparece de repente diante deles. Ele pegou emprestado o Nobre Fantasma de outro para evitar Karna e se apresentou como Geronimo. Ele tira o grupo de suas celas e os ajuda a escapar. Ao longo do caminho, ele revela que faz parte de uma resistência contra Edison e os celtas com três outros servos. Ele pede ao grupo para se juntar a ele. O grupo finalmente escapou após derrotar Karna.
O grupo chega a uma cidade deserta que serve como esconderijo da Resistência. Geronimo pede a Nightingale para curar um membro Servo da Resistência. Os outros notam que seu coração está gravemente danificado. Ele se apresenta como Rama, e Gáe Bolg causou seu ferimento. No entanto, Rama não pode ser curado a menos que a maldição de Gáe Bolg seja removida. Já que lutar contra Cú Chulainn para destruir sua lança é quase suicida, o grupo concorda em encontrar um Servo parente de Rama para remover a maldição. Rama sugere sua esposa, Sita, que está presa em algum lugar. O grupo então discute como lidar com os exércitos aparentemente intermináveis de Edison e os celtas. Os soldados celtas nascem continuamente de sua rainha, enquanto os robôs de Edison são produzidos em massa. O grupo deve assassinar os dois líderes para impedir o crescimento de seus exércitos. Eles então partem para recrutar Servos para ajudá-los.
Durante a viagem, Geronimo explica como os cidadãos americanos ocidentais são forçados a trabalhar nas linhas de produção em massa da infantaria mecanizada. O grupo chega a Lubbock, onde dois arqueiros, membros da Resistência, estão sendo sitiados por celtas. Eles os ajudam a repelir o ataque. Os dois se apresentam como Robin Hood e Billy the Kid. Depois que Mash dá os detalhes, Geronimo sugere que o grupo precisa de Sabre e Lancer para ajudar. Robin confessa que conheceu dois Servos problemáticos que se encaixavam nas classes mencionadas anteriormente.
Mais tarde, o grupo chega à entrada de Dallas, onde se encontra um dos Servos que Robin conheceu. Depois de derrotar alguns soldados celtas inesperadamente fracos, eles ouvem uma canção perturbadora que Ritsuka, Mash e Robin reconhecem. Entrando na cidade, eles se encontram com Elizabeth Báthory enquanto ela continua cantando. Eles deduzem que é por isso que os soldados eram tão fracos. Mash convence Elizabeth a se juntar a eles, dizendo que isso ajudará a promover sua arte.
Passando por uma floresta para Alexandria, o grupo testemunha Nero Claudius sendo confrontado por Fergus mac Róich, que foi enviado para matá-la. Robin usa No Face May King para emboscá-lo quando Nero revela sua presença. Os outros então chegam para derrotar Fergus. Antes de desaparecer, Fergus diz a Rama que Sita está detida na Ilha de Alcatraz.
Mais tarde, Geronimo informa aos outros que o reduto celta é a Casa Branca. Ele afirma que o grupo será dividido em dois. Um com Nightingale para resgatar Sita, e outro para se infiltrar na Casa Branca e assassinar a rainha celta. Geronimo decide que Ritsuka e Mash acompanharão Nightingale e Rama; Nero convence Elizabeth a ir com eles. Levando os outros com ele, Geronimo recebe um dispositivo de comunicação de Mash. Na manhã seguinte, o grupo se dividiu em suas respectivas equipes para realizar suas missões.
O grupo de Ritsuka chega à costa perto de Alcatraz. Eles então pegam um barco para a ilha. Chegando à costa da ilha, o grupo se dirige para a prisão enquanto mata wyverns enviados por um Servo. Chegando à prisão, eles enfrentam o Servo, que se apresenta como Beowulf. O grupo mata seu dragão e luta contra ele. Depois de ser derrotado, Beowulf permite que eles entrem na prisão.
Dentro da prisão, o grupo encontra Sita enquanto Rama desmaia de seu ferimento. Sita revela que Rama está sob uma maldição que os mantém separados, mesmo como espíritos heróicos. Qualquer um deles será convocado como Rama para nunca ser convocado simultaneamente, embora a Singuralidade seja uma exceção. Nightingale cura a ferida de Rama, mas a maldição de Gáe Bolg ainda persiste. Sita então se sacrifica pegando a maldição para dissipá-la. Depois que Rama acorda, o grupo sai para se encontrar com o grupo de Geronimo.
Em Washington, o grupo de Geronimo vai assassinar a rainha celta, Medb, durante um desfile. Eles a espreitam com No Face May King e a isolam em Nuptiae Domus Aurea. No entanto, Cú Chulainn Alter aparece de repente quando Medb o chama e ataca Nero. Confuso com sua força dentro do teatro, o grupo descobre que Medb o criou a partir de seu desejo no Graal de Cú Chulainn ser um rei forte e mau que ficará ao lado dela. O grupo luta com ele quando Arjuna chega. Cú Chulainn Alter luta com Nero sozinho enquanto Medb e Arjuna lutam contra os outros. Geronimo ordena a Robin que pegue o comunicador e escape. Depois que ele escapa, os outros continuam com sua batalha.
Enquanto isso, em Alcatraz, o grupo de Ritsuka foge da prisão quando são confrontados por Fionn e Diarmuid. Depois de matar o par, eles recebem uma transmissão de Robin. Ele informa que o plano de assassinato falhou. Ele diz a eles para se encontrarem com ele na base abandonada dos Estados Unidos para onde ele está se dirigindo. Recebendo suas coordenadas, o grupo sai para se encontrar com ele.
Enquanto o grupo de Geronimo continua sua batalha, Geronimo solta Tsago Degi Naleya em Arjuna. Arjuna o destrói com Agni Gandiva, então mata Billy. Medb mata Gerenimo depois que ele previu que ela morreria em breve. Ela então ordena que Arjuna persiga Robin. Depois que seu teatro desaba, Nero é liquidado por Cú Chulainn Alter.
O grupo de Ritsuka acabou localizando Robin para vê-lo sob ataque dos celtas. Depois de ajudá-lo, Robin conta a eles sobre o assassinato fracassado de Medb. Ele também diz que um Servo o salvou da perseguição de Arjuna e Cú Chulainn Alter. Essa mesma Serva então se apresenta como Scáthach. Ela originalmente pretendia destruir a era até decidir que um humano precisa encerrar a guerra ao ver Ritsuka. Ela se recusa a entrar no grupo, mas oferece a ela a mesma ajuda. Ela admite que nem mesmo pode derrotar Cú Chulainn Alter, já que seu poder concedido pelo desejo de Medb rivaliza com o dela. Ela poderia destruir o Graal junto com Medb, mas isso atrasaria muito o reparo da era. Enquanto lutava contra mais celtas, o grupo encontrou Li Shuwen. Ele luta com Mash até a paralisação para testar a força do grupo e para convencer Scáthach a duelar com ele. Ele se recusa a se juntar ao grupo, embora seja um aliado. Ele então sai, dizendo que Edison parece estar possuído. O grupo então sai de Denver para enfrentar Edison.
Viajando de volta para o oeste, o grupo chega a Kearney enquanto é atacado pelos celtas. Eles capturam alguns deles a mando de Robin. Ritsuka e Robin levam os prisioneiros a um robô de infantaria mecanizado. Robin afirma que é o segundo-tenente Anderson Komadori e está transferindo prisioneiros para o quartel-general. Como os prisioneiros são celtas, o robô permite que ele passe. O grupo segue para o castelo de Edison.
O grupo ultrapassa o guarda-robô e entra no castelo. Eles lutam contra Karna até que Edison o chama de volta para a sala do trono. Lá o grupo derrota Edison, junto com Helena e Karna. Edison se recusa a desistir e tenta beber um elixir para se transformar, mas Karna o joga no chão. Nighingale informa que o exército celta é infinito, enquanto o dele é limitado. É então revelado que a tirania de Edison resultou de sua mente sendo afetada por pensamentos acumulados dos presidentes que lhe confiavam o futuro da América. Edison é finalmente convencido por todos a se juntar ao grupo.
Mais tarde, o grupo traça uma estratégia para derrotar os celtas. Os celtas invadirão Denver pelas rotas norte e sul. Se você conquistar mais parte da América, a era não resistirá por muito tempo à separação da realidade e ao colapso. O grupo eventualmente decide com um ataque em duas pontas com dois exércitos para atacar ao longo das rotas do norte e do sul. Um exército manterá sua posição contra os celtas enquanto o outro avançará para a Casa Branca. O grupo deixa a decisão de quais Servos irão com qual exército para Ritsuka.
No dia seguinte, Ritsuka anuncia sua decisão. O exército do norte terá Elizabeth, Robin, Edison e Helena. O exército sul terá os outros. O exército norte então parte para esperar a batalha daqui a três dias ao anoitecer. Depois de testar a determinação de Ritsuka e Mash, Scáthach ordena que Rama comande o exército, já que ela não se juntará à batalha. Em vez disso, ela monitorará Medb e Cù Chulainn Alter, que ela impedirá de entrar na linha de frente. Depois que ela sai, o exército do sul começa seu avanço em direção a Washington.
Quando o exército do sul chega a Montgomery, Mash retransmite uma mensagem de Karna de que sua vanguarda derrotou uma vanguarda inimiga com alguns avanços. Depois de derrotar os retardatários, o exército do sul continua seu avanço quando um batedor informa que o exército celta à frente é liderado por Arjuna. Rama ordena que ele diga a todas as tropas para não se envolverem com Arjuna. Arjuna ordena que suas tropas ataquem o exército do sul enquanto ele luta contra Karna. O exército do sul e o exército celta se enfrentam enquanto Karna e Arjuna lutam. Eventualmente, o exército do sul derrota o exército celta, enquanto a batalha de Karna e Arjuna continua. No entanto, Karna é atingido por trás por Cù Chulainn Alter. Ele revela que matou Scáthach e luta contra o grupo. Ele se prepara para matar Mash quando Merlin, projetando-se através de Fou, o prende em uma ilusão. Karna aproveita para lançar Vasavi Shakti em Cù Chulainn Alter com o que resta de suas forças. No entanto, não foi forte o suficiente para matar Cù Chulainn Alter, e Karna desaparece. Cù Chulainn Alter então se retira para Washington para curar suas feridas. O grupo tenta persegui-lo quando Arjuna os impede para lutar contra eles. Depois de derrotá-lo, Mash pede a Arjuna para se juntar a eles, mas ele recusa e vai embora. O exército do sul então continua seu avanço.
Enquanto o exército do sul se envolve com as forças celtas que se aproximam, os detalhes da luta entre Cù Chulainn Alter e Scáthach são revelados. Durante a luta, Scáthach e Cù Chulainn Alter anularam o Gáe Bolg um do outro. Scáthach ativa Portão de Skye para puxá-lo para a Terra das Sombras, mas ele ativa Curruid Coinchenn para evitar isso. Ele então a esfaqueia, e ela foge para a Terra das Sombras para se recuperar. Lá ela conhece Li Shuwen e pede a ele para ajudar o exército do norte até que ela se recupere. Li Shuwen atende seu pedido. Na frente norte, o exército norte continua sua batalha contra o exército celta principal. Beowulf chega e luta contra Robin e Elizabeth, enquanto Helena e Edison lutam contra os celtas. Felizmente para Robin e Elizabeth, Li Shuwen chega e se envolve em uma briga com Beowulf.
Enquanto isso, o grupo de Ritsuka finalmente chega a Washington. Eles matam os monstros invocados de Medb e perseguem-na quando ela se retira para a Casa Branca. Na Casa Branca, o grupo vê que foi transformado de seu estado original. Lá dentro, eles lutam contra Cù Chulainn Alter e Medb. Embora mortalmente ferido por Brahmastra, Medb usa o Graal para convocar o Clã Calatin para atacar o exército do norte. Ela então dá o Graal a Cù Chulainn Alter antes de desaparecer. A energia mágica de Cù Chulainn Alter enfraquece devido à autocorreção do fortalecimento da era com Medb agora extinto. O grupo então luta contra Cù Chulainn Alter.
Ao mesmo tempo, o exército do norte continua a lutar contra o clã Calatin. Edison tenta se autodestruir sobrecarregando seu Nobre Phantasm para proteger os outros. Ele é interrompido pelo súbito aparecimento de Nikola Tesla, que chegou para salvar a era para se arrepender de suas ações em Londres. Percebendo que seus ataques são eficazes, Tesla e Edison liberam seus Nobres Phantasms simultaneamente para selar o Clã Calatin. Arjuna então chega e se sacrifica para lançar um Pashupata restrito para destruir o Clã Calatin.
Enquanto isso, na Casa Branca, o grupo derrota Cù Chulainn Alter. No entanto, ela usa o Graal para se encarnar em Halphas. Nightingale usa Nightingale Pledge para curar o grupo. Depois de derrotar Halphas, Ritsuka e Mash retornam à Caldéia com o Graal.
____________________________________________________________________________________________________________


https://preview.redd.it/t5x1e1brd6r51.png?width=700&format=png&auto=webp&s=c0457a892592377d33c90a7e8d351e9d536f68ed
Eu ia considerar isso Maravilhoso (5 estrelas), mas essa Singularidade foi a mais longa até agora e metade dele é legal e outra metade é mais ou menos.
E é aqui que a Scathach aparece pela 1º vez no jogo. E quando ela apareceu foi a parte mais legal do jogo.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.10.04 14:34 AJGolias Swing, Menage e o Mundo colorido (Liberal)

Olá pessoal tudo bem?
Recentemente vejo que existem muitas pessoas falando sobre fazer ménage, swing e entrar no mundo liberal, estou abrindo este tópico para fazer umas ressalvas sobre o assunto.
Os indivíduos que decidem ir para o lado colorido da vida geralmente estão muito bem confortáveis na vida amorosa, geralmente são pessoas que ja tem algum tempo de relacionamento e sabem que aquilo ali é apenas diversão, e que não vão trocar o parceiro por uma vagina ou penis alheio...
Essa porta, do mundo liberal, é uma porta sem tranca, uma vez que você abriu, ela sempre estará aberta, tanto para homens quanto para mulheres...e é aqui que reside o perigo
Então se voce e sua parceira(o) estão pensando entrar neste mundo, por favor, sentem e conversem muito, não sejam afobados, porque ja vi muitos relacionamentos (tanto homo afetivos quanto hetero) se desintegrarem quando as pessoas caem no mundo colorido.
Se voce mora em uma cidade grande, vá a uma casa de swing, conheça as pessoas o ambiente... converse com outras pessoas do meio e deixe claro que são iniciantes, não há nada de errado em ser iniciante (apesar de alguns correrem de casais iniciantes), e principalmente respeitem os limites do seu parceiro.
Se conseguirem se estabelecer, vão encontrar um inacreditável mundo novo, com muita gente bacana, e vai se assustar na quantidade de adeptos que existem, sem falar no sexo inacreditavelmente bom e como de forma engraçada o relacionamento vai a outro patamar.
Fica aqui a dica. Fiquem bem.
Não briguem, faça sexo.
submitted by AJGolias to sexualidade [link] [comments]


2020.10.02 09:03 UninformedImmigrant U wot m8? Estórias de um gajo que se mudou para o UK [Capítulo 3: Conduzir no UK]

Olá amigos. Hoje vamos novamente falar de carros, desta feita das diferenças que encontrei entre a condução no UK e em Portugal. Como é meu hábito e apanágio, vou desperdiçar o vosso tempo a explicar porque é que eu acho que as diferenças são o que são, em vez de prestar o serviço útil que seria especificar quais as diferenças exactas. Pode ser que se consigam tirar umas pelas outras.

Take-Aways Principais

Guinar para a direita em caso de emergência

Guinar (verbo): * dirigir um veículo abruptamente numa certa direcção, normalmente como reação a algo abrupto e inesperado; * mudar radicalmente de opinião acerca de um assunto, normalmente porque a opinião anterior deixou de nos ser vantajosa (ver: política).
Quando se começa a conduzir muito novo, como foi o meu caso, desenvolvem-se instintos para certas coisas. Por exemplo, se se nos apresenta um perigo de frente, então o instinto é o de encostar à direita primeiro e fazer perguntas depois; toda a gente treina a encostar à direita, por isso todos fazemos o mesmo e todos ficamos todos em segurança. Não tem que haver pânicos nem descontrolos; há que colocar o veículo em segurança (seja lá qual for o estado anterior) e depois logo se vê o que é que se faz e fez e de quem é a culpa.
Isto é, até conduzirmos num país em que toda a gente guina à esquerda, claro.
Um dia destes atravessava uma pequenina aldeia no interior profundo do Sudoeste. (Uma pequena tangente: as aldeias pequeninas do interior profundo do Sudoeste são das coisas mais bonitas que já vi. Tropeçam-se em abadias da idade média e em monumentos pré-históricos, é incrível.) Obviamente, a rua era estreita demais para caberem dois carros. Nestes casos noto os meus instintos continentais a tomarem conta da condução, e dou por mim a colocar o carro mais à direita que à esquerda. Não tem mal; de qualquer modo vou sozinho. Pouco depois a rua abre-se numa (espectacular) praça ampla e deparo-me com uma senhora num Range Rover em claro excesso de velocidade directamente à minha frente, dirigindo-se na minha direção e, portanto, na direcção do meu precioso carro novo. Eu guinei à direita, ela guinou à esquerda (dela), bom travão e ficámo-nos pelos embaraços. Ela deitou as mãos à cabeça, e eu tive que dar o braço a torcer; regressei ao meu lado da estrada de olhos fixos em frente. Travões foram testados, palavrões foram ditos, lições foram aprendidas.
Eu defendo que a adaptação à condução no UK se divide em 4 fases mais ou menos distintas:
  1. Primeiras semanas: "foda-se caralho de onde é que veio aquele não sei fazer nada ai vem aí uma rotunda AI FODA-SE AFINAL SÃO DUAS VALHA-ME NOSSA SENHORA VAMOS TODOS MORREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEER----"
  2. "Afinal isto até se faz": começa-se a ganhar alguma confiança e deixa-se o "piloto automático" tomar conta de vez em quando.
  3. "Afinal não": apanha-se um susto (vide senhora do Range Rover), e a condução volta a ser tensa.
  4. Verdadeira adaptação: depois de uns milhares de quilómetros e de umas idas a Portugal, um tipo nota finalmente que parece tão familiar conduzir de um lado como do outro. Não há hesitações, consegue-se prever o fluxo do trânsito, sabe-se onde andam as rodas, e por aí fora.
Este episódio marcou a minha fase 3. Naturalmente, neste momento encontro-me na última destas 4 fases, o que se consegue facilmente compreender uma vez que não vejo o futuro. Ainda assim parece-me razoável que assim seja: é comum os processos de aprendizagem e adaptação se fazerem em "tentativas", em ondas e bochechos até estabilizarem em algo confortável. Cavalgamos no sentido de nos sentirmos melhor, mais confiantes, e por isso tapamos buracos no chão com tábua fina. Quando pisamos a tábua ela racha, e aprendemos que temos que a trocar por tábua mais grossa.
O instinto é, pelo menos para mim, uma parte muito importante da condução. Eu habituei-me a ter uma noção quase extra-corpória de onde está o carro, onde vai passar, o que é que os outros estão e vão fazer, etc. E todo o processo é completamente inconsciente: basta-me ir com atenção e toda a condução se faz suavemente e por si própria. Aliás, uma das primeiras coisas que notei quando comecei a conduzir aqui foi o quão exausto estava depois de uma viagem; todo o processo era muito mais manual, muito menos fluído e muito mais difícil de manter.

Conduzir é mais que guiar, é comunicar

Eu não sei das vossas inclinações filosóficas, mas eu cá perco-me um bocado com pesquisas; vem com o trabalho na academia, suponho. Ora sucede que, segundo se consta em ramos como a Psicologia, a comunicação entre pessoas é muito mais do que verbal. Claro que todos nós sabemos, conscientemente ou não, que isso é verdade: uma mulher dizer "não" enquanto morde o lábio é muito diferente de dizer "não" enquanto nos esbofeteia, o que por sua vez é muito diferente de dizer "não" enquanto nos esfaqueia no abdómen. O que ela disse foi o mesmo, mas a intenção era claramente diferente. São essas subtis marcas não-verbais que fazem toda a diferença na interacção do dia-a-dia.
Ora a condução, na medida em que envolve uma série de processos de mediação, não é mais que uma forma de comunicação. Ao colocarmos o carro em certo local indicamos que queremos avançar; os piscas indicam para onde vamos (quando se usam); podemos acenar para ceder passagem, ou abanar a cabeça para explicar pacientemente que não pretendemos ceder passagem. Podemos buzinar para expressar descontentamento, ou ofensa, ou felicidade porque o Benfica ganhou. Podemos trocar o escape por um barulhento para comunicarmos a todo o mundo que somos profundamente atrasados mentais. Podemos colar o logo da FPF na mala do carro de modo a mostrarmos a todos que não só somos portugueses, como também não sabemos distinguir o futebol dos verdadeiros símbolos nacionais. Podemos até abalroar um peão ou um ciclista como forma de lhes fazermos ver que a estrada não é sítio para eles.
Todos estes actos são pequeninas mensagens que indicam aos outros utilizadores da via o que pretendemos fazer. A condução está cheia destas pistas. É como manter uma conversa: "eu vou para ali", dizemos nós com o pisca, "ok, mas eu passo primeiro", diz o outro condutor avançando, "ok, passa então", dizemos nós parando, e por aí fora. Ora, como em toda a boa forma de comunicação, povos diferentes falam línguas diferentes. Eu defendo que na condução se passa exactamente o mesmo.
Em Portugal a comunicação entre condutores é muito franca e aberta: toda a gente que vai mais devagar que eu é um caracol do caralho, e toda a gente que vai mais depressa é doido. Ninguém passa à frente porque eu é que sou importante, e outros que tais típicos silogismos Latinos. Obviamente que a mim, como português, a "língua" a mim me parece aberta, clara e óbvia. A habituação ao estilo português de condução permite-nos prever muito bem o que é que vai acontecer, e decidir de acordo com isso. Conseguimos saber quando esperar que o veículo à nossa frente acelere, sabemos como esperar que reaja a mudanças no limite de velocidade, sabemos como reagir a uma travagem na autoestrada, etc. Estamos integrados na massa de condutores que nos rodeia, aos quais estamos unidos por uma teia de micro-acções (não confundir com a fraude das micro-expressões) que nos fazem entender uns com os outros de forma natural, quais formigas no carreiro.
Um condutor estrangeiro topa-se à distância. Na minha terrinha é costume receberem-se alguns carros de matrícula francesa entre o fim de Julho e o início de Setembro, mas nem era preciso olhar para a matrícula! A forma como se posicionam, como contornam uma rotunda, até como avaliam quando entrar num cruzamento traem logo a estrangeirisse (ou a emigrância longa). Claro que o logo da FPF no vidro de trás acaba por denunciar muitos, mas garanto que também não era preciso. (Nota: ainda não apliquei no meu carro o obrigatório logo da FPF. Eu pensava que me chegava um pacote da embaixada assim que comprasse o carro, mas noto que até nas coisas importantes a diplomacia portuguesa me está a falhar.)
No UK, as pessoas parecem ter para a condução a mesma atitude que têm no dia-a-dia umas com as outras: uma certa vontade de não agravar, uma delicadeza assertiva e um pragmatismo típico que tornam o processo bastante diferente do nosso. Isto complica a habituação à condução aqui para lá do óbvio "fazer tudo ao contrário". Eu até diria que a condução à esquerda é uma falsa barreira, e que a adaptação é muito mais profunda que isso. Existem expectativas diferentes, dicas diferentes e assunções diferentes. Numa palavra, o trânsito inglês é "ordeiro". As filas unem-se por "zippering", os limites de velocidade são respeitados, as manobras anunciam-se atempadamente com piscas. As marcas da estrada são claras, abundantes e respeitadas. Não se fazem arrancadas, não se corta à frente de ninguém; estamos todos nisto juntos. O trânsito é cooperativo e não adversarial. Obviamente que há excepções, mas estamos aqui a falar no sentimento geral e esse é, sem dúvida, muito diferente do português.
Inicialmente, a sensação é assoberbante. É como tentar falar uma língua que nunca falámos antes. Eu não sei o que é que estas pessoas estão a fazer, nem porquê, nem com que intenção. Obviamente estamos todos a tentar chegar a algum lado, mas os detalhes escapam, e toda a gente sabe que o diabo está nos detalhes. É como ouvir alguém falar criolo: eu percebo algumas palavras, uma expressão aqui e ali que traem a origem portuguesa, mas a mensagem global ilude-me. Uma coisa que fez muita diferença foi entender que as rotundas pequeninas (aquelas desenhadas no chão) na realidade não são rotundas; são cruzamentos. Dá-se prioridade à direita, e não se entra lá dentro enquanto lá estiver alguém. Entender isto foi um salto enorme para mim.
Como é óbvio, o episódio ali acima da senhora do Range Rover foi coisa comum durante algum tempo. Entrei mal em rotundas, parei em cima de grelhas, fiz outras coisas completamente erradas por não entender um sinal, e por aí fora. Curiosamente, nunca andei em contramão nem nunca achei particularmente estranho conduzir ao contrário. A Maria diz que puxo um bocadinho à direita quando estou distraído, mas eu acho que é do vinho que ela bebe ao almoço.
Eu suspeito que haverá toda uma área de estudo acerca desta ideia de "conduzir é comunicação", porque não sou esperto o suficiente para estar aqui a descobrir ramos da filosofia. Até podia jurar que li um paper ou dois sobre as teorias de negociação de cruzamentos, e da forma como isso se podia codificar como linguagem. Ou então sou parvo. ¯\_(ツ)_/¯

Mais devagar é lesma, mais depressa é acelera

A velocidade é um exemplo óbvio de um aspecto da condução em que Portugal e o UK são radicalmente diferentes. Ora eu, português de gema, chego à A1 e afino o cruise control na velocidade mais elevada a que posso circular sem ser multado: 150. A essa velocidade, meros 30km/h acima do limite legal, vou constantemente a ultrapassar e a ser ultrapassado. Há uma certa formalidade em todos os desvios: a velocidade obriga a que as mudanças de faixa sejam feitas cuidadosamente, indicadas com antecedência, e até avisadas com sinais de luzes durante a noite. Acelera sim, parvo não.
Por outro lado, em terras de Sua Majestade a velocidade é o inimigo número 1; o condutor médio aqui seria visto em Portugal como "uma lesma do caralho". Mas pensemos um bocadinho: andar depressa é muito bonito, mas suponhamos que eu não sou novo, ou que estou cansado, ou que acabei de receber más notícias. Conduzir depressa nessas condições é geralmente uma má ideia mas, mais do que isso, a minha capacidade de prever o que fazem os aceleras fica fortemente diminuída. Se todos respeitarmos o limite, que por sua vez deve ser mais ou menos sensato, então garantimos que a estrada é um ambiente mais inclusivo e menos perigoso para todos. Consequentemente, torna-se muito menos excitante para nós, pessoas novas e (excessivamente) confiantes, que gostamos de apertar. Além disso, a velocidade é fortemente fiscalizada e as multas são muito caras.
Não, a sério, as multas são muita caras. Vi os preços e decidi que andar devagar já não me incomodava assim tanto.
Inicialmente, atravessar uma aldeia a 30mph trazia-me ânsias. "O que é que eu vou a fazer a esta velocidade? Vou ficar velho antes de lá chegar!"" Mas com o tempo habituei-me a um estilo de condução mais lânguido, mais relaxado. Posso ouvir uma musiquinha ou um podcast enquanto atravesso a aldeia nas calmas. Nada de mal me vai acontecer porque, francamente, indo a 30mph pára-se quase instantaneamente. É quase zen!
As estradas de campo, pelo menos para estes lados, são uma experiência completamente diferente. O limite de velocidade por omissão numa A ou B road é de 60mph, aproximadamente 100km/h, ou 10km/h mais alto que o limite português. A isto alia-se uma característica interessante das estradas secundárias inglesas: são muito estreitas e não têm bermas; aqueles 60mph parecem 200! É possível praticar uma condução muito divertida, perfeitamente dentro dos limites da legalidade e da segurança. Para pessoas se viram forçadas a comprar um carro menos pontente do que inicialmente esperavam, é muito bom ainda assim se conseguir tirar algum prazer da condução mais "dinâmica".
Ainda assim, na presença de outros carros volta-se ao ordeiro. E isto nota-se até na condução de outros: é comum ir calmamente por estas estradas, e ver um carro aproximar-se por trás com uma atitude mais aventureira, apenas para depois se colocar tranquilamente atrás de mim como se nenhuma pressa alguma vez tivesse tido. Nada de tailgating, nada de tentativas parvas de ultrapassagem, apenas refrescante respeito pelo meu direito de respeitar o limite de velocidade naquela particular situação. E quando há uma aberta ou uma secção de duas faixas, então lá vai ele com pressa outra vez. A chico-espertice parece mais rara.

Toda a gente em todo o lado

Há um aspecto da sociedade no UK, pelo menos aqui no Sul, que nunca vejo discutido quando se fala em viver cá: este país é muito mais congestionado que Portugal. Há mais pessoas em todo o lado, há escassez de casas, há muito trânsito. Eu estou habituado a atravessar a estrada de campo entre Coimbra e a Figueira a meio da noite sem me cruzar com absolutamente ninguém. Tal coisa nunca me aconteceu aqui. Mesmo com uma rotina algo fora do comum, estou sempre limitado pelo trânsito onde quer que vá. Isto resulta, geralmente, numa condução mais lenta e aborrecida do que aquilo a que podemos estar habituados em Portugal. Ou, agora que já estou habituado, numa condução mais zen.
A própria infrastrutura contribui de forma negativa para isto. Pelo menos em relação ao que estou habituado, a rede de autoestradas do UK é menos extensa que a portuguesa (em relação à população e à área). Eu estou muito habituado a, onde quer que vá em Portugal, haver autoestrada quase de porta a porta. Claro que ter vivido sempre em cidades com bons acessos é um factor importante! Mas há vários caminhos relativamente extensos que faço com frequência, entre sítios "importantes" aqui, para os quais não há nenhuma ligação rápida. De um modo geral, noto que demoro mais tempo a cobrir distâncias semelhantes vs o que fazia em Portugal. A distância Bristol-Londres parece muito, muito, muito maior que a distância Coimbra-Porto. Claro que é maior, mas parece ainda maior do que o maior que já é.
Com uma rede de autoestradas com menos cobertura, torna-se muito comum as estradas de campo, aquelas bonitas das quais a gente gosta, estarem congestionadas: trânsito de caminho casa-trabalho-casa, trânsito agrícola, camiões ou bicicletas, etc. Assim, apesar de o limite de velocidade nas estradas de campo ser elevado, é relativamente raro conseguir-se fazer uma viagem com alguma distância a uma velocidade média decente. Como as estradas são estreitas, e como há aquele respeito a todo o trânsito, é muito mais difícil resolver isso com ultrapassagens.
Um aparte, e sabendo que é uma opinião altamente controversa e que só me vai trazer chatices: eu entendo que se um ciclista
então é um filho da puta e devia-lhe crescer um ananás no cu. Eu percebo que toda a gente tem direito a utilizar a infraestrutura. Eu entendo que o ciclista tem tanto direito a usar a estrada como eu. Mas do mesmo modo que os camiões de vez em quando encostam para deixar passar a fila, não ficava nada mal ao menino da licra fazer o mesmo. Eu quando sei que vou andar devagar, por exemplo porque vou em passeio ou a ver a paisagem, então também encosto de vez em quando para deixar os outros passar; lá porque eu posso usar a estrada para fazer isso, não quer dizer que seja fixe atrasar toda a gente que tem o azar de vir atrás de mim. É altamente irritante fazer 10km ou mais em segunda atrás de uma fila gigante, e chegar atrasado a todo o lado, só porque o Barry decidiu que hoje era dia de salvar o planeta. Po caralho, Barry.
A condução em autoestrada é muito diferente da nossa. Obviamente que há aceleras, mas regra geral o trânsito flui "en bloc" a 75 mph, suspeito porque o cruise control é muito comum cá. A diferença de velocidade entre caros é muito menor, e simultaneamente a velocidade absoluta a que todos circulamos é mais baixa. A condução em autoestrada parece menos "formal" do que em Portugal. É mais fluída, mas de uma forma desagradável: os ingleses não têm reservas nenhumas em meter pisca e atravessarem-se à nossa frente a 75mph. As ultrapassagens são muito frequentes, mas fazem-se com diferenciais de velocidade muito mais baixos, e por isso demoram muito mais tempo. Há muito mais trânsito de pesados na autoestrada, por isso são mais esburacadas e vê-se muito "snail races", aquele fenómeno em que um camião que circula a 61.2mph demora 2847289167219 horas a ultrapassar um camião que circula a 61.19mph.
A questão do congestionamento também se aplica, naturalmente, ao estacionamento. Os lugares são relativamente limitados e normalmente são pagos. Nem todas as casas que estão disponíveis para arrendacomprar têm estacionamento associado e, particularmente nas cidades, ter estacionamento privado é claramente um luxo. Eu tenho estacionamento privado neste bloco de apartamentos, mas isso é relativamente raro até aqui no campo. Sempre que quero visitar algum local faço questão de escolher de antemão onde é que pretendo estacionar, e até aponto o GPS logo para o estacionamento. Mas nem tudo são más notícias: é normal haver estacionamento pago e relativamente fácil em qualquer sítio que se queira visitar, e os preços normalmente não são horripilantes. Um contra-exemplo fácil é o centro de Bournemouth, onde normalmente pago umas 8£ para estacionar durante 6 horas. E uma boa parte dos estacionamentos aceita pagamento contactless, e alguns até são completamente ticketless, o que até é fixe. De um modo geral:

Conclusão

Eu podia escrever sobre conduzir durante dias, e talvez revisite o assunto no futuro. Não só é uma actividade que me traz uma satisfação imensa, como é algo que me intriga intelectualmente. Parece obviamente uma má ideia alguém propôr "ei zé, vamos dar a cada pessoa um caixote de lata de 2 toneladas, e fazê-los andar em velocidade, em sentidos opostos, a meros centímetros uns dos outros". Toda a experiência parece condenada à catástrofe mas nós, do nosso jeito humano, lá fazemos a coisa funcionar. É muito interessante ver que não só fazemos com que a condução seja algo que seja útil, como povos diferentes têm abordagens diferentes à "solução" para que funcione. Nós cultivamos um estilo de condução, os ingleses outros, e com um bocadinhod e tradução até acabam por encaixar.
Como referi antes, nesta altura acredito que a condução à esquerda é um "red herring" (um peixe vermelho?) no que toca ao processo de adaptação à condução aqui. Conduzir à esquerda é estranho, concedo, mas não é o mais estranho. Uma parte crucial da condução é sermos capazes de prever o que os outros vão fazer, de sabermos o que esperar e, posto de uma forma simples, as coisas aqui são diferentes.
As estradas estreitas de campo foram a salvação da minha saúde mental durante o lockdown. Estar fechado o dia todo, legalmente impedido de sair para tudo o que não seja essencial e receoso do contágio, é algo que pesa na mente. A possibilidade de me fechar seguro dentro do carro e passear foi um escape gigante. Geralmente, adoro conduzir aqui, nem muito mais nem muito menos que em Portugal. São dois estilos diferentes, mas ambos têm as suas virtudes.
É importante mencionar novamente, para benefício de quem lê na diagonal, que a minha experiência é altamente individual e que procurei relatar o espírito geral da vivência através de uma generalização que pode não funcionar. Obviamente que há excepções; obviamente que há parvos em todo o lado, e por vezes o parvo sou eu.
Para o próximo episódio estou a pensar fazer uma espécie de "rescaldo das crises" e cobrir o Brexit e a pandemia mais ou menos como um. Apitem na caixinha se acham boa ideia.
Abraços, e obrigado por virem à minha TED talk.

Capítulos Anteriores

Referências

Hoje não há :)
submitted by UninformedImmigrant to portugal [link] [comments]